Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 01/01/2016

Telefonia móvel lidera reclamações no Procon-Feira

ppA Superintendência Municipal de Defesa do Consumidor (PROCON/Fsa) listou as dez (10) empresas com maior número de reclamações no órgão entre janeiro e novembro de 2015. Liderando a lista pelo segundo ano consecutivo está à operadora de telefonia móvel Oi, com 1.065 queixas, seguida pela EMBASA, que também manteve a mesma colocação do ano passado com 732 reclamações e a terceira colocação ficou com o supermercado G.Barbosa, subindo de posição no ranking, a rede acumulou 674 denúncias.

 

A continuidade da lista segue com a empresa de eletroeletrônicos Sansung com 622, seguido pela telefonia Claro com 562, a COELBA 527, Sky 519, Casas Bahia 462, Tim 452 e por último o Itaucard com 227 consumidores que não ficaram satisfeitos com os serviços prestados. Marcas como a CCE, Ibicard e o Bradesco que estiveram na lista do ano passado com índices expressivos de reclamações, não apareceram este ano. Até o final de 2015, o PROCON totalizou 15.678 reclamações, número expressivo, porém, foram 1.102 queixas a menos que o ano passado, quando foram registradas 16.780 denúncias.

 
Empresas de telefonia

 

Historicamente, queixas sobre cobrança indevida, má prestação de serviços, suspensão indevida do acesso à internet, dentre outras, mantém as empresas de telefonia fixa e móvel sempre ocupando os primeiros lugares nos rankings de reclamações dos órgãos de defesa do consumidor, como foi visto nesta lista, tivemos três das quatro operadoras entre as mais reclamadas.

 
O PROCON-BAHIA observou junto à Associação Brasileira de Procons, que as prestadoras de serviço vêm sistematicamente desrespeitando os direitos dos consumidores, que pagam caro por um serviço que não tem a qualidade prometida.

 

Por conta disso, a instituição que defende os direitos do consumidor vai realizar uma ação com o objetivo de instaurar procedimentos para investigar a realização de publicidade enganosa pelas operadoras de telefonia móvel. “Com esta investigação, o Órgão visa trabalhar preventivamente na proteção do consumidor, garantindo respeito ao seu direito tanto antes, quanto durante e até mesmo após a contratação”, enfatiza o Superintendente do PROCON-BA, Marcos Medrado.

 
(FOLHA DO ESTADO)