Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 16/05/2018

Terapeuta católica é demitida após recusar aconselhamento matrimonial para casal gay

Uma terapeuta católica em Michigan, nos EUA, entrou com uma ação federal contra seu antigo empregador, alegando que ela foi demitida de seu emprego no ano passado depois que ela pediu para não ser forçada a aconselhar um casal do mesmo sexo. Um advogado da empresa classificou as alegações como “falsas”.

 

De acordo com a queixa apresentada na Corte Distrital dos EUA, na semana passada, Katherine Lorentzen trabalhou como terapeuta comportamental terceirizada, contratada para a HealthSource Saginaw de 2011 até 2017.

 

No verão passado, um casal gay foi encaminhado a ela para aconselhamento matrimonial. A queixa alega que Lorentzen viu o casal em duas ocasiões distintas. No entanto, ela chegou à convicção de que não poderia mais ver o casal para aconselhamento matrimonial porque ela se sentia violando os ensinamentos de sua fé católica no casamento.

 

Segundo a Igreja Católica , o casamento é a “união fiel, exclusiva e vitalícia entre um homem e uma mulher, unidos como marido e mulher numa íntima parceria de vida e amor”.

 

Em 23 de agosto, Lorentzen contou a seu supervisor, Mark Kraynak, sobre suas objeções e perguntou se ela poderia encaminhar o casal gay para outro terapeuta a fim de acomodar suas próprias crenças religiosas.

 

Segundo a queixa, Kraynak “ficou muito zangado”, o que fez com que Lorentzen saísse da sala durante uma discussão com seu supervisor.

 

“O Sr. Kraynak pediu que a Sra. Lorentzen digitasse uma carta informando ao casal que eles estavam sendo encaminhados a outro terapeuta porque a Sra. Lorentzen estava reduzindo seu horário”, alega a denúncia.

“A Sra. Lorentzen disse que se sentiu como se estivesse sendo assediada e discriminada por causa de sua religião”, afirma no processo. “O Sr. Kraynak disse à Sra. Lorentzen que ela tinha que ser ‘primeiro, uma assistente social e depois uma católica’”.

 

Lorentzen alega que tentou defender suas crenças, apontando a posição oficial da Igreja Católica no casamento. Em resposta, Kraynak lhe disse que “eles são apenas padres”.

 

Em 6 de setembro, Lorentzen recebeu uma carta do diretor executivo do programa Mark Puckett, informando que ela seria demitida em 30 dias.

 

Lorentzen também afirma que depois de receber a carta, ela foi “submetida a uma série de ações que a envergonharam e humilharam”.

 

De acordo com Lorentzen, tais ações incluíram casos em que Reed e Kraynak supostamente a proibiram de andar pelo corredor.

 

Lorentzen está sendo representada e defendida pela Thomas More Law Center, uma organização cristã conservadora sem fins lucrativos.

 

“Este caso mostra que as pessoas de fé estão sob ataque no local de trabalho. O fato é que, no entanto, os cristãos não precisam escolher entre a fé e o emprego”, disse Tyler Brooks, em um comunicado. “Apesar do que muitos querem que acreditemos, a discriminação contra os cristãos é uma violação dos direitos civis que sujeitará os empregadores à responsabilidade legal.”

 

O advogado da HealthSource, Tom Vincent, do escritório de advocacia Plunkett Cooney, disse ao The Christian Post, nesta terça-feira, que muitas das alegações feitas na denúncia de Lorentzen são “fundamentalmente falsas”.

 

 

Fonte: The Christian Post