Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 22/03/2018

Zuckerberg reconhece responsabilidade do Facebook e admite erros

O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, rompeu o silêncio nessa quarta-feira (21) sobre o escândalo do uso de dados pessoais em sua rede social, assegurando que a companhia cometeu “erros” e deve fazer mais para resolver o problema.

 

“Temos a responsabilidade de proteger seus dados e se não pudemos, não merecemos servi-los”, escreveu em seu mural Zuckerberg no primeiro que fez após o escândalo vir à tona.

 

“As medidas mais importantes para isto não ocorrer de novo foram tomadas há anos, mas também cometemos erros e há mais por fazer”, acrescentou.

 

Saiba mais: Novo escândalo sobre roubo de dados faz ações do Facebook despencarem

 

Zuckerberg se disse “responsável do que acontece” no Facebook e prometeu oferecer aos usuários uma melhor utilização de seus dados pessoais.

 

Em outra entrevista, concedida à CNN, Zuckerberg reconheceu que ocorreu “um abuso de confiança muito grave”. “Nossa responsabilidade é a de evitar que isto volte a acontecer”.

 

Sua chefe de operações (COO), Sheryl Sandberg, ecoou os comentários de Zuckerberg. “Sabemos que isso foi uma grande violação à confiança das pessoas e sento muitíssimo que não tenhamos feito mais para lidar com isso”, lamentou em comunicado.

 

O Facebook está no meio de uma tempestade, depois que a empresa de análise de dados Cambridge Analytica (CA) foi acusada de ter obtido sem consentimento dados de 50 milhões de usuários para elaborar um programa que permite prever a votação dos eleitores, com o qual influenciou a campanha presidencial de Donald Trump em 2016.

 

A rede ABC informou que o procurador especial Robert Mueller, que investiga se houve conluio entre Rússia e a equipe de campanha de Trump, revisa o papel da CA nas eleições

 

Citando fontes anônimas, a ABC afirmou que vários especialistas digitais que trabalharam para a campanha de Trump se reuniram a portas fechadas com a equipe do procurador.

 

A CA argumenta que não usou a informação do Facebook na campanha.

 

O psicólogo que desenvolveu o aplicativo que serviu à Cambridge Analytica para obter os dados dos usuários para fins eleitorais disse nesta quarta-feira que o mesmo era legal e se ajustava aos termos de uso.

 

Aleksandr Kogan, professor de psicologia da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, lamentou, em declarações à BBC, que tanto o Facebook quanto a Cambridge Analytica o estejam usando como “bode expiatório”, ao culpá-lo de uso ilegal de dados pessoais.

 

“Minha opinião é que estou sendo usado basicamente como pode expiatório”, defendeu-se Kogan, no centro de um escândalo que custou ao Facebook uma desvalorização de 7% na bolsa de Nova York em três dias – nesta quarta-feira, seus papéis recuperaram 2%, após perder 9%.

 

“Honestamente, pensava que agíssemos de forma apropriada, achava que fazíamos algo normal”, avaliou o psicólogo, nascido na Moldávia e criado na Rússia até que sua família se mudou para os Estados Unidos quando ele tinha 7 anos, segundo dados biográficos citados pelo “Varsity”, um jornal de Cambridge.

 

Este pesquisador desenvolveu um aplicativo denominado “This is Your Digital Life” (Esta é a sua vida digital).

 

Tratava-se de uma das centenas de pesquisas aparentemente inofensivas que circulam no Facebook e em outras redes sociais, do tipo “Que Pokemon é você?” ou “Quais são as palavras que você mais usa?”.

 

Cerco ao Facebook

 

O caso alavancou um movimento de debandada do Facebook, uma iniciativa que recebeu o apoio, nesta quarta-feira, de um dos fundadores do WhatsApp.

 

 

Fonte: Correio Braziliense