Alta de commodities levou à expansão de 28% nas exportações baianas em maio

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Impulsionadas pela valorização de suas principais commodities no mercado internacional, as exportações baianas alcançaram em maio US$ 854 milhões, valor recorde para o mês desde 2014. Em relação a maio de 2020, as exportações cresceram 28%. Nos primeiros cinco meses do ano, as vendas externas da Bahia acumulam um valor de US$ 3,48 bilhões, aumento de 13% e valorização de 30% em seus preços médios, todos comparados sobre o mesmo período de 2020. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria de Planejamento (Seplan).

O secretário do Planejamento, João Leão, destacou mais uma vez a importância do setor agrícola para a Bahia. “Na última semana comentamos o resultado positivo do PIB no primeiro trimestre que sofreu forte influência da agricultura, ontem saiu a previsão de safra recorde de grãos para este ano. Este resultado das exportações nos mostra mais uma vez a força e importância que o setor agrícola tem para o nosso estado”.

Já as importações foram de US$ 540,5 milhões, aumentando 47,9% comparadas a igual mês do ano passado. Apesar do efeito da base baixa de comparação, a maior demanda por bens importados acontece em um momento de recomposição de estoques pela indústria, em um ambiente de escassez interna de suprimentos e de alguma reação na atividade econômica. No acumulado do ano até maio, as compras externas chegaram a US$ 2,97 bilhões, com um aumento de 39,1%. Com exceção dos bens de capital, houve crescimento de todas as categorias de bens importados no ano, com destaque para os combustíveis, com avanço de 101,1%, dos bens de consumo duráveis (+96,4%) e dos bens intermediários (29,6%).

Em meio a um cenário de recuperação econômica dos principais parceiros comerciais do estado, como China, Estados Unidos e Argentina, tiveram destaques no mês as vendas de produtos básicos – em especial, soja, algodão, café e derivados de cacau. Houve também forte aumento das vendas de derivados de petróleo (80,2%) e de produtos petroquímicos (63%). A alta de preços das commodities e a recuperação da demanda internacional explicam esse movimento.

As importações, por sua vez, também mantiveram um ritmo positivo, recuperando-se em relação ao ano passado, puxadas, sobretudo pelas compras de combustíveis, fertilizantes e células solares em módulos ou painéis.

As exportações do agronegócio no acumulado até maio cresceram 16,3% frente a igual período de 2020 e representaram 46,4% do total exportado pela Bahia. Os produtos do setor mineral, incluindo petróleo, cresceram 10,1% e representaram 35,3% do total. Ou seja, 81,7% das exportações baianas no ano são commodities agrícolas ou minerais que estão passando por um ciclo global favorável, em um fenômeno semelhante ao que vimos na década de 2001 a 2010, quando o crescimento da China ativou um super ciclo de alta de matérias-primas que beneficiou tanto a Bahia quanto o Brasil.

Não é por acaso que a China lidera como principal destino as exportações estaduais, com 28,4% de participação e crescimento de 32% ante igual período do ano anterior. A Ásia, novo polo dinâmico da economia mundial, representou 52,1% do total das exportações estaduais no período, com crescimento de 12%. Outros mercados importantes também registraram crescimento nas compras no período, como Estados Unidos com aumento de 11%, Argentina (26%) e União Europeia (12,4%). Esses mercados também vivem em um contexto de recuperação econômica, resultando numa demanda crescente de diversos produtos da pauta estadual.

Fonte: Ascom/ SEI

OUTRAS NOTÍCIAS