Ator Mário Gomes presta queixa por conta de meme de Jesus em prova e diz que filho sofreu intolerância religiosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O ator registrou queixa por intolerância religiosa. Foto: Mário Gomes/Instagram

O ator Mário Gomes registrou uma queixa na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio por intolerância religiosa cometida contra seu filho adolescente.

O artista reclamou de uma prova no colégio do filho. Em um vídeo postado em sua rede social, ele disse que ele é católico e que teria se sentido vítima de intolerância. A questão cita um meme em que uma reprodução de ‘Cristo Crucificado’, de Velásquez, aparece com a frase ‘Bandido bom, é bandido morto.

“Isso aqui é um sacrilégio. ‘Bandido bom é bandido morto’, como se Jesus Cristo fosse algum bandido. Alguém que pregou a paz, que pregou a compreensão, o entendimento entre a pessoas, e aí, a gente está aqui na frente do inspetor, muito atencioso e solidário, e compreendeu completamente a nossa posição, que é uma agressividade contra uma criança e meu filho é católico e temente a Deus”, disse Mário Gomes no vídeo na delegacia.

Sobre o que o ator reclamou?
Uma questão discursiva, mostrada por Mário Gomes no vídeo, cita um meme em que uma reprodução de Cristo Crucificado, do pintor espanhol Diego Velásquez, aparece com a frase “Bandido bom é bandido morto”.

A questão deixa claro que se trata de um meme:

“Este é um meme criado a partir da obra “Cristo Crucificado”, do pintor espanhol Diego Velásquez. Considerando o meme, identifique pelo menos um dos três tipos puros de dominação conceitualizados por Weber [jurista Max Weber]. Justifique-se, sempre em termos weberianos”, pede a questão, que vale 3 pontos.

A Polícia Civil disse que todos os envolvidos serão ouvidos e que a investigação está em andamento.

O que é a teoria do domínio de Weber?
A sociologia estuda as relações humanas, e o jurista Max Weber (1864-1920) detalhou as formas de poder.

Para Weber, poder é a imposição da vontade de uma pessoa ou instituição sobre os indivíduos. Já dominação é o extremo oposto: é a aceitação e a subordinação dos indivíduos ao poder exercido por alguém.

O jurista identificou três tipos puros ou legítimos de dominação:

Dominação legal: forma oficial, em obediência ao Estado, tanto por causa das leis quanto ou por causa da força.
Dominação tradicional: é guiada pela moral e pelos costumes, observada em sociedades patriarcais, pautadas por um respeito secular.
Dominação carismática: é em reverência a um líder, cujas força e persuasão são capazes de mobilizar massas, comandar pessoas e manter seguidores.

G1

OUTRAS NOTÍCIAS