Bancada evangélica quer desmentir Datafolha e contrata pesquisa para ouvir fiéis

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha, sugerindo que há uma predileção entre evangélicos pelo ex-presidente Lula (PT), fez a bancada evangélica se mobilizar e contratar uma pesquisa particular para provar que os dados apresentados pela empresa do Grupo Folha não são verdadeiros.

Na última semana, a empresa de pesquisas divulgou um relatório que aponta o ex-presidente Lula (PT) como o mandatário melhor avaliado pelos evangélicos, mesmo envolvido em diversos processos por corrupção e lavagem de dinheiro.

Agora, as lideranças evangélicas – em especial pentecostais e neopentecostais – se moveram para contratar uma empresa para fazer uma pesquisa no segmento e confrontar os dados levantados pelo Datafolha.

Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), deputado federal que assumirá a presidência da Frente Parlamentar Evangélica em 2022, e o bispo Robson Rodovalho, líder da igreja Sara Nossa Terra, entendem que as pesquisas mais recentes não refletem a realidade.

De acordo com a CNN Brasil, ambos compreendem que mesmo com as dificuldades econômicas decorrentes da crise nascida na pandemia, a maioria dos evangélicos continua apoiando o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Entretanto, a bancada evangélica e outros líderes que possuem trânsito junto ao governo entendem que é preciso agir para amenizar os efeitos da crise, pois o impacto maior se dá sobre as classes econômicas menos favorecidas, onde está a maior parte do rebanho evangélico.

O programa social Auxílio Brasil, que substitui o Bolsa-Família, ampliando sua abrangência e relevância, é uma das respostas do governo para esses problemas, aliado ao combate à inflação.

A analista Thais Arbex, da CNN, disse ter ouvido de Rodovalho que a classe média e os pequenos empresários precisam ser atendidos, pois esse grupo também carece de estímulos, como algumas reformas propostas e atualmente debatidas no Congresso, principalmente a tributária.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS