Versículo do dia
Não julgueis, para que não sejais julgados.

Bancada evangélica quer imunidade para as igrejas na reforma tributária

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Bernardo Mello
O Globo

A frente parlamentar evangélica na Câmara dos Deputados, conhecida como bancada evangélica, encabeça uma articulação para ampliar, dentro do projeto da reforma tributária, o alcance da imunidade e das isenções concedidas atualmente a entidades religiosas.

Em reunião no fim de julho com o relator da reforma na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), os parlamentares se uniram em torno de uma emenda do líder da bancada evangélica, o deputado federal Silas Câmara (Republicanos-AM), que livra as igrejas de cobranças em remessas financeiras para o exterior e também na operação de atividades fora dos templos. A emenda ainda pode isentar organizações religiosas da contribuição previdenciária.

No encontro com a bancada evangélica, Aguinaldo sinalizou interesse em dar “clareza e segurança” sobre a imunidade de igrejas no texto da reforma tributária. Pela Constituição, entidades religiosas são imunes ao pagamento de impostos sobre renda, patrimônio e serviços. A lei atual exige, no entanto, o recolhimento de encargos trabalhistas e previdenciários, entre outras contribuições sociais, além de deixar as igrejas sujeitas a contribuições de intervenção no domínio econômico (Cide) e a taxas sobre serviços específicos.

— A emenda que apresentamos é muito didática e pedagógica. Pela falta de regulamentação sobre a imunidade religiosa, há brechas atualmente para interpretações da Receita Federal, de estados e municípios. Então, o que a gente pede é uma definição sobre essa extensão — afirmou Câmara.

— Por exemplo: se as igrejas são imunes, por que incidem tributos sobre produtos utilizados na prestação de seu serviço? Por que o estado pode cobrar ICMS sobre um ônibus alugado para transporte de missionários? Porque não está definida a extensão desta imunidade — completou.

A emenda da bancada evangélica, apresentada originalmente em setembro do ano passado, é uma tentativa de modificar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45, do líder do MDB, Baleia Rossi (SP).

A comissão mista da reforma tributária vai analisar de forma conjunta a PEC 45 e a PEC 110/2019, apresentada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Segundo Câmara, há centenas de proposições tramitando no Congresso que tratam de imunidade e isenção a igrejas, e a ideia é que a reforma tributária se torne um “marco zero” do assunto.

Benefício estendido

A bancada evangélica argumenta que a imunidade de entidades religiosas precisa incluir contribuições sociais e Cides, e que deve se estender não só à igreja propriamente dita, mas também a “organizações assistenciais e beneficentes legalmente constituídas”, como livrarias, editoras e gravadoras ligadas a ela.

Outro ponto defendido por lideranças religiosas é a imunidade nas remessas de recursos para o exterior, o que beneficiaria católicos e evangélicos. Pelo texto da emenda de Câmara, também deixaria de haver cobrança de impostos sobre utilização de quaisquer imóveis ligados à igreja. A intenção é unificar o assunto nacionalmente. Alguns municípios, embora considerem templos isentos de pagamento de IPTU, cobram o imposto normalmente em imóveis alugados por entidades religiosas ou naqueles usados como moradia por suas lideranças.

Na avaliação do advogado tributarista Carlos Navarro, a emenda da bancada evangélica pode reduzir as disputas judiciais envolvendo entidades religiosas, muitas delas alvo de execuções milionárias pela Procuradoria da Fazenda Nacional.

O tema costuma mobilizar os integrantes da bancada evangélica. Um destaque apresentado pelo deputado federal David Soares (DEM-SP) a um projeto sobre precatórios, em julho, livra os templos religiosos da obrigação de pagamento da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) e anula retroativamente multas cobradas pela Receita. O deputado é filho do missionário R.R. Soares, líder da Igreja Internacional da Graça.

O destaque de Soares, visto por alguns deputados como um “jabuti”, também anula as autuações da Receita contra entidades religiosas que não tenham recolhido a contribuição previdenciária sobre remuneração de padres, pastores e sacerdotes. O texto, aprovado na Câmara, ainda precisa passar pelo Senado.

— A tendência do Supremo ao longo dos últimos anos vem sendo a de dar interpretações mais amplas sobre imunidade religiosa. Esta emenda parece ter o objetivo de resolver litígios e ajudar também as entidades a alcançarem esta matéria da imunidade sem que precisem brigar na Justiça — avaliou o advogado.

Piora no controle

Para o tributarista Luiz Rafael Mansur, no entanto, as regras previstas na emenda, caso entrem em vigor, pioram o controle sobre operações financeiras internacionais.

O advogado também acredita que as mudanças abririam brecha para o desenvolvimento de organizações empresariais “protegidas” pela formação de uma igreja. A emenda estende a isenção de contribuição previdenciária para a folha de pagamento de todos os funcionários de uma organização religiosa, incluindo aqueles não diretamente envolvidos com cultos ou trabalho missionário.

— Além do gigantesco impacto orçamentário para a União, um texto como esse pode ter consequências fiscalizatórias, como em relação à prática de lavagem de dinheiro — disse Mansur.

Em 2019, após um pedido da bancada evangélica, apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, a Receita Federal editou instruções normativas afrouxando as obrigações fiscais de igrejas. A Receita aumentou de R$ 1,2 milhão para R$ 4,8 milhões o piso de arrecadação que torna obrigatória a entrega da Escrituração Contábil Digital (ECD), um demonstrativo de movimentações financeiras diárias. Além disso, o governo passou a pedir a inscrição no CNPJ só da sede de entidades religiosas, liberando templos menores.

Cobrança de IPTU
Como é hoje:

O artigo 150 da Constituição proíbe a cobrança do imposto em templos ou demais propriedades relacionadas às “finalidades essenciais” das igrejas. Alguns municípios não consideram que há imunidade, por exemplo, sobre a moradia de líderes religiosos ou imóveis alugados.

O que as igrejas pedem:

A emenda do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) veta qualquer cobrança de IPTU ao dizer que a imunidade atinge “propriedade, posse e manutenção” de quaisquer imóveis ligados a entidades religiosas, assim como a “renda decorrente da exploração econômica”.

Remessa para o exterior
Como é hoje:

As igrejas devem recolher normalmente impostos como o IOF em operações financeiras para o exterior, além de serem tributadas em caso de importação de bens e serviços.

O que as igrejas pedem:

A nova emenda diz que não pode haver cobrança de encargos na “remessa de recursos para manutenção” ou “atividade de caráter assistencial ou missionária” no exterior. O texto elaborado pela bancada evangélica também proíbe a tributação na importação de “obras, inclusive de arte” para uso nas igrejas.

Contribuição previdenciária
Como é hoje:

A remuneração de padres, pastores, sacerdotes e demais representantes religiosos segue a legislação de imunidade. No caso de funcionários de atividades complementares, como limpeza e manutenção, as igrejas precisam recolher 20% de contribuição sobre a folha salarial.

O que as igrejas pedem:

A emenda da bancada evangélica acaba com a contribuição previdenciária para as “entidades beneficentes de assistência social”, categoria pleiteada por igrejas. Na prática, o recolhimento deixaria de atingir qualquer funcionário dessas entidades, em vez de somente os representantes religiosos.

Imunidade sobre serviços
Como é hoje:

A Constituição proíbe a tributação sobre patrimônio, renda e serviços de “templos de qualquer culto”, mas não estende a imunidade a CNPJs ligados às igrejas, como os de livrarias, editoras e gravadoras.

O que as igrejas pedem:

A emenda à reforma tributária busca explicitar, no artigo 149, que apenas a União pode recolher quaisquer encargos de entidades religiosas, e que sua imunidade alcança também a atuação de “organizações assistenciais e beneficentes” ligadas a igrejas.

Fonte: O Globo

OUTRAS NOTÍCIAS