Bebê de seis semanas morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Pixabay-ilustração

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes

principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja Católica Ortodoxa está no alvo de uma polêmica envolvendo o batismo de bebês, especialmente agora, após a morte por afogamento de uma criança de apenas seis semanas.

Este caso ocorreu em uma igreja em Suceava, situada no nordeste da Romênia. A criança de seis semanas foi mergulhada três vezes consecutivas em uma espécie de tanque de água, conforme manda a doutrina ortodoxa, mas segundo o pai da mesma o padre que conduzia a cerimônia ignorou o fato do bebê estar chorando.

“O menino estava chorando, mas o padre o submergiu três vezes na água e ele inalou água… dos médicos descobri que ele inalou 110ml de água… se você vê uma criança com a boca escancarada e chorando, você não a colocaria totalmente na água, não é?”, disse o pai, segundo o Independent.

O bebê chegou a ser socorrido ainda na igreja por paramédicos e depois levado às pressas para uma unidade de terapia intensiva local, mas acabou sofrendo uma parada cardíaca e morrendo horas depois. Uma petição por populares foi feita online, contando com mais de 60 mil assinaturas.

A petição pede que a Igreja Ortodoxa mude a forma de batismo. “A morte de um bebê recém-nascido por causa dessa prática é uma grande tragédia. Esse risco deve ser descartado para que a alegria do batismo triunfe”, diz o documento.

Os populares pedem na petição que os padres apenas borrifem água nos bebês, em vez de submergi-los na água. “Dadas as situações trágicas em que crianças morreram após serem imersas na água da pia batismal, a igreja deve regulamentar urgentemente essa prática!” diz a petição.

Batismo ortodoxo polêmico
Não é a primeira vez que o batismo de bebês na Igreja Católica Ortodoxa chama atenção e gera protestos. Em 2017, o vídeo de um batismo revoltou inúmeras pessoas devido ao modo como o Patriarca da Igreja da Geórgia batizou um bebê.

A criança foi mergulhada repetidamente no tanque de água, mesmo aos berros, ou seja, de boca aberta, e de modo visivelmente traumático. Em outro caso, dessa vez repercutido em 2019, um bebê é sacolejado várias vezes por um padre russo durante o batismo.

Gospel +

 

OUTRAS NOTÍCIAS