Brasil atinge número recorde de divórcios em 2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Mais de 80 mil divórcios foram registrados nos cartórios brasileiros no ano em 2021, quando o Brasil enfrentava restrições devido à pandemia.
Por Lilia Barros

“Acabou o amor”, “Ela queria comandar” ou “Casamos um pouco rápido demais”, são algumas das justificativas apresentadas pelos casais que decidem se divorciar. Os motivos são os mais variados, mas foi durante a pandemia da covid-19, que foi criada a possibilidade de os divórcios serem feitos de forma online, por meio da plataforma e-Notariado.

Entre janeiro de dezembro do ano passado, foram registrados 80.573 divórcios, crescimento de 4% em relação ao ano de 2020, quando 77.531 separações foram registradas oficialmente. Em 2007, quando começou a série histórica, foram 22.195 divórcios no país. No total, foram 2,8 mil divórcios a mais em comparação com 2020. O número não inclui divórcios judiciais.

O estado com o maior número de divórcios foi São Paulo, com 17.701 registros de separações em 2021. Em segundo lugar está o Paraná, com 9.501, e, em terceiro, Minas Gerais, com 8.025.

Os maiores crescimentos de divórcios aconteceram no Distrito Federal (40%), Amapá (33%), Acre (27%), Pernambuco (26%) e Roraima (19%). Em números absolutos, o Distrito Federal também lidera a lista, com 733 divórcios, seguido pelo Rio Grande do Sul (477), Rio de Janeiro (469), Pernambuco (373) e Bahia (343).

A criação da plataforma e-Notariado, lançada em julho de 2020, é apontada como um dos fatores que “agilizam” o processo porque com a migração dos serviços notariais para o meio eletrônico, a facilidade de fazer o ato online, sem se deslocar, se tornou um diferencial ainda maior, pois muitos estavam em isolamento e conseguiram resolver pendências da vida pessoal de forma remota, segundo informações da presidente do CNB/CF Giselle Oliveira de Barros.

Os dados constam da Central de Serviços Eletrônicos Compartilhados (Censec), plataforma de dados administrada pelo Colégio Notarial do Brasil (CNB/CF).

Revista Comunhão – Por Lilia Barros – foto pixabay

OUTRAS NOTÍCIAS