Casa da Puérpera: vínculo afetivo reduz estresse no desenvolvimento de bebês

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Em 2020, o Hospital Inácia Pinto dos Santos (Hospital da Mulher) acolheu 222 mulheres na Casa da Puérpera. O espaço é destinado ao alojamento das mães, cujos bebês nasceram com baixo peso ou outro problema de saúde, necessitando ficar internados na UTI Neonatal ou no berçário.

“A proximidade das mães com os recém- nascidos mantém o vínculo afetivo e minimiza o estresse vivenciado durante o processo de desenvolvimento dos bebês”, afirma a coordenadora da Casa da Puérpera, Emilly Araújo.

O espaço dispõe de 16 leitos, onde é oferecida a assistência de enfermeiro, assistente social, psicólogo, nutricionista e médico. “Não existe tempo determinado para a permanência das mães na Casa da Puérpera”, acrescenta a coordenadora. O espaço fica instalado nas dependências da instituição.

ACOLHIMENTO

Moradora de Amélia Rodrigues, Laís Silva dos Santos, 17 anos, é uma das mães acolhidas na Casa da Puérpera. Seu bebê está há 15 dias internado para fortalecer o sistema respiratório. “Para mim está sendo muito importante permanecer perto do meu primeiro filho”, diz.

Para Edinice Neves, moradora do distrito de Humildes e mãe do terceiro filho, o processo de recuperação do bebê tem sido demorado. Contudo, afirma que permanecer perto da filha tem contribuído para a recuperação da pequena Helena. “Aqui recebo todo o apoio necessário. Ficar perto dela torna os meus dias menos angustiantes”.

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS