Casamentos religiosos têm menos probabilidade de terminar em divórcio, sugere estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Um novo estudo descobriu que os casamentos religiosos têm menos probabilidade de terminar em divórcio porque a religião tende a encorajar menos a coabitação, um conhecido fator de risco para o divórcio.

O Institute of Family Studies analisou dados de mais de 53.000 mulheres entre 15 e 49 anos na Pesquisa Nacional de Crescimento da Família de 1995 a 2019. O resultado foi publicado no final de dezembro de 2021.

Eles descobriram que a taxa anual de divórcio entre mulheres casadas com educação não religiosa é de cerca de 5%. Foi de 4,5 por cento para mulheres religiosas.

“No geral, se controlarmos os antecedentes socioeconômicos básicos e a trajetória educacional de uma mulher, o casamento típico de uma mulher com educação religiosa tem cerca de 10 por cento menos probabilidade de terminar em divórcio nos primeiros 15 anos de casamento do que o casamento típico de uma mulher com educação não religiosa”, disseram eles.

Mulheres que passam de solteiras diretamente para o casamento sem coabitar tendem a ter taxas de divórcio mais baixas do que mulheres com a mesma origem, mas que se casam após coabitarem.

“Isso foi especialmente verdadeiro para mulheres religiosas que se casaram antes dos 25 anos. Para mulheres que se casaram após os 30 anos, o relacionamento parece mudar”, disseram os pesquisadores.

“Mulheres que se casaram depois dos 30 anos tiveram menos anos de casamento incluídos na análise. Mas, particularmente para casamentos jovens antes dos 20 anos ou no início dos 20 anos, coabitar antes do casamento parece ser um importante fator de risco para o divórcio”, relataram Stone e Wilcox.

De acordo com o relatório, a religião pode dar aos adultos “apoio institucional ou comunitário”, ou pode “alterar positivamente a qualidade dos casais românticos”.

“A religião pode alterar os cônjuges potenciais aos quais as mulheres são expostas. Por meio das comunidades religiosas, as mulheres religiosas podem ter acesso a um grupo maior e mais favorável ao casamento de cônjuges em potencial”, disseram os pesquisadores.

“Em segundo lugar, a religião pode alterar os critérios que as mulheres têm para selecionar os parceiros. Sabendo que a coabitação é desfavorecida e desejando a companhia de uma união comprometida, as mulheres religiosas podem buscar mais ativamente parceiros mais cedo na vida do que outras mulheres”, acrescentaram.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines – foto pixabay

OUTRAS NOTÍCIAS