Cerca de 100 porções da droga sintética K10 são encontradas em bíblia enviada a detento

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Foram apreendidas na última terça-feira (9), 100 porções da droga sintética K10 escondidas em uma bíblia enviada pelos Correios a um detento da Penitenciária de Uberaba. Segundo a ocorrência registrada pela Polícia Militar (PM), a correspondência tinha como remetente a mãe do detento que era o destinatário. Não foi informado se ela foi detida.

A droga foi encontrada pela polícia penal durante procedimento de análise, que é padrão e realizado em todos os produtos encaminhados para os detentos, para que haja um controle sobre o que entra no presídio.

O G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) que, em nota, informou que o detento passará pelo Conselho Disciplinar da unidade prisional e poderá sofrer sanções administrativas. Afirmou também que a direção da penitenciária registrou a ocorrência e encaminhou a apreensão para a Polícia Civil, que investigará o caso.

Outros casos
Em janeiro deste ano, os policiais penais encontraram drogas ao menos duas vezes durante o procedimento de revista dos materiais enviados à Penitenciária de Uberaba. Na primeira ocorrência registrada foram encontradas 100 frações de LSD dentro do rolo de papel higiênico. Já na segunda vez, localizaram 108 unidades da mesma droga, escondidas do mesmo jeito. As duas ocorrências foram na mesma semana.

Além disso, na última quinta-feira (5), foi encontrado 100 frações de LSD dentro de um caderno enviado por Sedex.

Nessas ocorrências, a Sejusp informou que os presos que receberiam as encomendas seriam ouvidos pelo conselho disciplinar e ficariam impedido de receber kits até que as investigações fossem concluídas. Além disso, a Secretaria afirmou que os remetentes teriam os cadastros cancelados.

Já os Correios informaram que os empregados da empresa atuam de forma diligente visando identificar postagens cujo conteúdo esteja em desacordo com a legislação e que, inclusive, muitas operações policiais começam após a identificação via raio-x na fiscalização de produtos.

G1- Foto: Joyce Rodrigues/G1

OUTRAS NOTÍCIAS