Versículo do dia
Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.

China: polícia invade igreja, espanca pastor e prende mais de 50 cristãos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O Departamento de Segurança Pública de Nanbu, um condado da cidade de Nanchong, na província de Sichuan (China) despachou mais de 30 policiais para invadir a igreja doméstica ‘Sola Fide’. Na ação foram presos o pastor e cerca de 50 membros da igreja. Apesar da ação ter ocorrido ao final de julho, o caso só chegou ao conhecimento da agência de vigilância sobre perseguição religiosa ‘Bitter Winter’ na segunda quinzena de setembro.

Um membro da congregação disse à Bitter Winter que quando a polícia chegou por volta das 7 da manhã daquele dia, mais de 70 crentes estavam participando de um culto. Avisados por um membro da igreja que estava de guarda do lado de fora, 20 fiéis da igreja conseguiram escapar. Quando o pastor protestou por ter sido algemado, dizendo aos policiais que não havia infringido nenhuma lei e que as liberdades religiosas das pessoas deveriam ser respeitadas, os oficiais o agrediram com vários chutes.

A polícia confiscou todas as Bíblias e hinários e derrubaram a cruz e uma imagem de Jesus. Eles também retiraram o ar-condicionado, o sistema de áudio e o equipamento de música do local e fecharam o local.

Moradores do bairro contaram que dois dias antes da operação, quatro policiais à paisana foram vistos do lado de fora do local. De acordo com um jovem da região, os policiais foram localizados às 4h do dia da operação.

Após ser libertado, um membro da congregação revelou que todos os crentes presos foram levados a uma delegacia de polícia para registrar seus documentos de identidade, fotos e impressões digitais. Eles foram colocados na lista negra da polícia e podem ser vigiados ou assediados por um longo tempo. Alguns membros foram libertados mais tarde naquele dia, enquanto o pastor e vários crentes permaneceram detidos de 4 a 15 dias.

Em 21 de junho, mais de uma dúzia de funcionários do Escritório de Assuntos Étnicos e Religiosos e policiais no condado de Daying, na cidade de Suining, em Sichuan, haviam invadido outra igreja local, onde cinco membros estavam em uma reunião de oração. Eles foram acusados ​​de “coleta ilegal” e os policiais pegaram suas informações de identidade e números de telefone e os fotografaram. Os oficiais então removeram a cruz de uma das paredes e confiscaram 21 livros religiosos, incluindo Bíblias e hinários, antes de fechar o local. O diretor da igreja foi mantido detido por três horas.

No dia 19 de maio, policiais também haviam invadido outra igreja doméstica no condado de Lujiang, na província oriental de Anhui. A maioria dos membros da congregação conseguiu escapar, enquanto cinco foram presos e levados para uma delegacia, onde foram interrogados até tarde da noite.

Depois que a polícia fechou o local no dia seguinte, a congregação se reuniu em um bosque próximo, mas foi rastreada. Os policiais borrifaram spray de pimenta no grupo que tinha pessoas de todas as idades, tentando dispersá-los.

“O spray estava muito quente, ardendo em nossos olhos; até uma criança de 4 anos foi borrifada ”, relembrou um membro da igreja.

A congregação encontrou outro local temporário para suas reuniões nas proximidades. Ainda assim, a polícia os invadiu novamente o templo no dia 17 de junho, forçando os crentes a se mudarem para outro local a 50 quilômetros de distância.

Um antigo local de uma igreja no distrito de Dongxiang, na cidade de Fuzhou, no sudeste da província de Jiangxi, tem sido continuamente perseguido por se recusar a aderir ao Movimento Patriótico das Três Autonomias (comandado pelo Partido Comunista Chinês). Não apenas o local foi esvaziado e fechado, mas seus membros foram colocados sob vigilância constante.

Em 22 de julho, uma fiel da igreja foi presa e detida por oito dias, após compartilhar o Evangelho em um crematório local. Um oficial da vila havia sido designado para vigiá-la, quando ela se recusou a filiar-se à Igreja das Três Autonomias. Ele denunciou a mulher à polícia. Durante sua detenção, ela foi pressionada novamente a integrar igreja oficial, mas disse não novamente.

“Não tenho medo de ser presa”, disse ela. “Vou continuar a compartilhar o Evangelho”.

Outra fiel da igreja também foi presa no mesmo dia e detida por oito dias. A polícia a proibiu de compartilhar o evangelho após sua libertação.

A organização internacional de apoio à Igreja Perseguida, Missão Portas Abertas classifica a China como um dos piores países do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos. A organização observa que todas as igrejas são vistas pelo governo como uma “ameaça” se elas se tornarem grandes demais, “políticas demais” ou convidarem estrangeiros para pregar ou participar de outras ações.

Segundo algumas estimativas, há mais cristãos na China do que membros do Partido Comunista.

Fonte: Guia-me com informações de Bitter Winter- (Imagem: Bitter Winter)

OUTRAS NOTÍCIAS