Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 16/04/2019

Chuva faz aumentar a oferta de bovinos no Campo do Gado

É só chover que os currais do Campo do Gado voltam a ser ocupados. Em março, quando os pastos estavam secos, as vendas no entreposto de boi na ‘perna’ – sem pesá-lo, não passava de 200 cabeças. Com a chegada das chuvas os negócios fechados passaram para até 700. E se as coisas continuarem no estágio atual, logo passa de mil cabeças. A feira acontece às segundas-feiras.

 

A forte presença dos animais nos currais atrai mais compradores. Entretanto, os preços sobem. Nesta segunda-feira, 15, a grande maioria do rebanho levado à venda era formada por bezerros e tourinhos, que são levados às fazendas e dentro de um e dois anos atingem peso para abate. É comum ver grupos de compradores e vendedores fechando negócios – cercas dos currais viram escritórios.

 

Pedro Oliveira vem de Conceição do Coité, localizado a cerca de cem quilômetros de Feira, para vender e comprar animais no Campo do Gado. Estava com um lote de bezerros – que pedia entre R$ 1,5 mil a R$ 1,8 mil, a cabeça. “Quando chove a procura é grande, mas a oferta ainda está sendo baixa”. Segundo ele, os preços estão reagindo nos últimos dias. “Aqui, tanto vendo como compro. Trago e levo. É assim que o comércio funciona”.

 

Os compradores dos animais que serão levados aos pastos aguardam sinais de que o tempo vai continuar chuvoso. A opinião é de Evagelino Fontes. “As chegada das chuvas aqueceram as vendas e os preços estão subindo”. O preço da arroba passou de R$ 150 para R$ 170 nos últimos dias. Também sobem os preços da bezerrada que é levada para o pasto. O sobe e desce do preço depende do tempo.

 

O diretor do entreposto, Márcio Cunha, disse que o movimento nas últimas semanas é animador. “E há uma tendência de que a oferta destes animais aumente à medida que a chuva caia nos pastos”. A taxa cobrada pela venda de um animal é de apenas um real. Os boletos são pagos nas casas lotéricas pelos vendedores.

 

O Campo do Gado é um dos maiores – se não o maior, entreposto de venda de gado em pé da Bahia. O diretor afirmou que a seca prolongada reduziu significativamente a venda de animais no local. “Mas agora estamos animados e confiantes de que as coisas mudarão daqui pra frente”. O entreposto é administrado pelo Governo do prefeito Colbert Martins Filho, através da Secretaria de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico.

 

Secom