Cidade na BA cria ‘Kit Covid’ para pessoas sintomáticas e faz entrega à domicílio; prefeito diz que todos têm supervisão médica

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

A secretaria da saúde da cidade de Itagi, no sudoeste baiano, criou um “Kit Covid” com remédios que estão sendo entregues para pessoas infectadas pelo novo coronavírus e que apresentam sintomas.

A medida foi anunciada nas redes sociais da prefeitura e fazem parte do kit remédios como Azitromicina e Ivermectina. Esses medicamentos não são testados, nem têm comprovação de que podem ajudar a pacientes com a Covid-19, doença causada pelo Sars CoV-2.

Na nota, nas redes sociais, a prefeitura disse que a o kit faz parte do plano de enfrentamento à Covid-19 e a entrega em casa ocorre para evitar que pacientes se desloquem para farmácia

Em entrevista ao G1 neste domingo (12), o prefeito de Itagi, Olival Andrade, que é médico, disse que o objetivo é evitar a forma grave da doença e a ocupação em leitos dos hospitais de cidades vizinhas que estão com superlotação. Conforme disse o prefeito, Itagi não possui leitos de UTI para Covid-19.

Olival Andrade informou ainda que a medida foi inciada em julho. Dez pessoas que estavam infectadas tomaram o remédio e estão curadas, segundo o prefeito, elas não apresentaram reação aos remédios.

“Eu sou médico, professor do curso de medicina da Uesb [Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia]. A prefeitura não distribui o kit aleatoriamente, nós instituímos um protocolo. Qualquer paciente que apresente sintomas é examinado pelo médico, acompanhado por uma equipe e estabelecido todo um protocolo. A gente não está distribuindo remédio. Os pacientes sintomáticos, que passam por avaliação médica, têm os remédios encaminhados às suas residências para que evite que ele vá à farmácia”, explicou o gestor.

Na postagem, não há a foto da cloroquina, mas o prefeito informou que ela é usada, também com acompanhamento médico e da equipe de saúde do município.

“Quando se usa a hidroxicloroquina, é feito um ECG [Eletrocardiograma] antes do tratamento, depois do primeiro dia, um segundo ECG é feito no terceiro dia da medicação, o terceiro [ECG], no quinto dia. Paciente cardíaco, com comorbidades, esquêmico, não se faz o uso da droga”, explicou.

Na última sexta-feira (10), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reforçou que a ivermectina, que é um medicamento antiparasitário, não tem comprovação científica de eficiência contra a Covid-19.

O prefeito Olival Andrande também falou, quando perguntado, sobre a informação da Anvisa sobre a Ivermectina.

“Não existe no mundo uma medicação específica para tratar [a Covid-19], algumas medicações têm feito a diferença. Por ter sido politizada, algumas drogas, ou uma droga, tornou-se uma coisa anormal. Vários hospitais instituem seus protocolos e têm dado excelentes resultados nos primeiros dias dos sintomas. O que me interessa é salvar vidas, como gestor e médico. Em uma guerra a gente usa a arma que tem”, disse.

Itagi, de acordo com o boletim da Secretaria de Saúde da Bahia neste domingo (12), tinha 13 casos confirmados de Covid-19.

O prefeito informou que o município tem registrado 12 casos. Desses, 10 estão curados e dois seguem com sintomas da doença. As duas pessoas que ainda estão com o vírus ativo, também usaram os remédios fornecidos pela prefeitura e de acordo com Olival Andrade, estão estáveis e passam bem.

G1 Bahia.

OUTRAS NOTÍCIAS