Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 11/10/2018

Cólica em bebês pode estar relacionada a posição incorreta da amamentação, explica enfermeira

Comum em recém-nascidos até os 60 dias de vida, a cólica é uma dor intensa e o choro do bebê é difícil de acalmar. Algumas vezes, a causa da dor pode estar relacionada a posição incorreta da amamentação, onde a criança acaba engolindo metade do liquido do leite e ao mesmo tempo ingerindo ar, trazendo como consequência o acúmulo de gases no abdome, gerando desconforto. A informação é da enfermeira e professora Karine Souza, durante palestra na Semana do Bebê, na Unidade Básica de Saúde do CSU, nesta terça-feira, 9.

 

Para que pais e responsáveis saibam como proceder diante desta situação, Karine Souza alertou sobre a importância de buscar auxílio profissional. “Existem exercícios e, em algumas situações, medicações que aliviam a dor de cólica. Como o motivo da dor às vezes é muito individual, o melhor é procurar um enfermeiro ou pediatra para saber a conduta adequada, e não buscar receitas de vizinhos que muitas vezes não trazem solução”, ressalta.

 

Silvana Késsia Almeida , 35 anos, levou o pequeno Bernardo, com 25 dias de vida, para a primeira consulta pediátrica. O momento foi uma oportunidade para entender melhor como tratar as recorrentes cólicas que o bebê tem sentido.

 

“Ele passou um tempo trocando o dia pela noite e eu estava tendo dificuldade com a alimentação, o que deixa a criança estressada. Mas aqui pude tirar muitas dúvidas sobre a forma de amamentar e de conduzir a criança, isso é muito legal, pois facilita a criação. Só tenho a elogiar”, relata.

 

A atividade faz parte do momento de orientação dos mil dias da criança, que vão desde a gestação até os dois anos de idade. Até o dia 11, unidades de saúde do município estão realizando um momento especial para comunidade, voltado ao esclarecimento de dúvidas relacionadas ao aleitamento materno, vacinação e cuidados com o bebê.

 

“Nosso objetivo é trazer informações além das que já são passadas durante as consultas. Visamos reforçar cuidados indispensáveis no dia a dia em casa, para que a saúde da criança esteja 100%”, informa a enfermeira Lorena Rocha .

 

Secom