Versículo do dia
Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra.

Comerciantes tornam-se multiplicadores de informações sobre a importância da ave

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Tornar multiplicadores de informações os comerciantes de produtos agropecuários sobre a importância da preservação das aves em seu habitat natural. Este foi o objetivo da ação promovida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Semmam) nesta quarta-feira, 07, no Centro de Abastecimento e nos estabelecimentos próximos a praça do Tropeiro.

A iniciativa faz alusão ao Dia Mundial da Ave, comemorado na última segunda-feira, 05 de outubro.

Segundo o chefe do Departamento de Educação Ambiental, João Dias, com a colaboração desses profisisonais será possível incentivar a proteção e reduzir o impactos provocados pela retirada das aves do seu habitat natural.

“Percebemos que esses profisisonais estão mais conscientes e não participam da venda de aves ilegais. O nosso objetivo é contar com a ajuda desses comerciantes para dialogar com os clientes sobre a importância da ave”, disse.

Panfletos e materiais educativos também foram distribuídos. João Lins, comerciante de produtos agropecuários, aprovou a iniciativa e sugeriu que fiscalizações nesse sentido ocorram em áreas específicas do município, onde considera que há venda ilegal de animais silvestres.

“Infelizmente ainda existem feiras de venda dessas aves. É ilegal, mas ainda existe. Por aqui [próximo ao estabelecimento] não vejo muito”, comentou o comerciante.

Situações como essa podem ser denunciadas para a Semmam, que em parceria com outros órgãos promove a fiscalização e retirada desses animais, se constatado crime.

Eles serão entregues ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, são recuperados e devolvidos ao meio ambiente. Caçar, traficar, transportar e manter animais silvestres em cativeiro é crime previsto na lei Federal 9.605/98.

Para o policial militar e criador de aves em cativeiro – atividade legal e registrada – Joabe Pereira, existe o estigma e preconceito com os criadores legais, e cobrou que sejam intensificadas as fiscalizações.

“Nós criadores podemos transitar com nossas aves em qualquer local, tem os registro e os órgãos tem controle disso. Precisamos intensificar as fiscalizações para as atividades ilegais, infelizmente ainda existe preconceito com os criadores, acham que nossas aves são retiradas da natureza, o que é ilegal”, opinou.

A programação em alusão ao Dia Mundial da Ave contou com blitzen realizadas na BR 116/Sul e BR 101, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal. Durante os três dias de ações não foi identificado tráfico ilegal de pássaros silvestres.

Foto: Izinaldo Barreto

OUTRAS NOTÍCIAS