Versículo do dia
Mas a misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade sobre aqueles que o temem, e a sua justiça sobre os filhos dos filhos; sobre aqueles que guardam o seu concerto, e sobre os que se lembram dos seus mandamentos para os cumprirem.

Comissão da Câmara aprova projeto sobre armas criticado pelo pastor Silas Malafaia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

estatuto-do-desarmamentoA Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou o relatório do Projeto de Lei 3722/2012, que revisa o Estatuto do Desarmamento e prevê a redução da idade mínima para o porte de armas.

 

 

O projeto, apoiado por especialistas no assunto, foi duramente criticado pelo pastor Silas Malafaia, que gravou um vídeo contra a flexibilização das regras para a aquisição de armas e disse que cobraria os parlamentares da bancada evangélica para votarem contra.

 

 

Segundo especialistas, nos países em que o porte de armas foi mantido para a população, os índices de criminalidade diminuíram, pois acredita-se que os assaltantes evitam abordar alguém que eles não sabem se poderá estar armado e reagir.

 

 

O projeto, apresentado em 2012, é de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC), e só voltou a tramitar na Câmara em 2014. O relator do projeto, deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG), fez alterações no texto, reduzindo a quantidade de munições permitida para cada cidadão que portar arma, de 50 por mês para 50 por ano, segundo informações do iG.

 

 

Dentre os favoráveis, há o discurso de que é importante para os cidadãos que o direito de se defender seja restaurado. O deputado João Rodrigues (PSD-SC) adotou tom mais radical: “Sabendo que se alguns cidadãos de bem estão armados, alguns bandidos serão eliminados, e é bom que se faça uma limpeza, porque chega da população não poder se defender”, disse.

 

 

Alessandro Molon (Rede-RJ) criticou a redução da idade mínima para o porte de armas: “Todos aqui já tiveram 21 anos e sabem que, nesta idade, os hormônios promovem mudanças no nosso organismo e nos faz ter reações mais impulsivas. Ampliar o acesso às armas vai trazer mais assassinatos e não reduzir o número de homicídios no País”.
Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS