Versículo do dia
Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

Condenada, Record fecha acordo para veicular programas sobre religiões afro

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Uma batalha judicial que se arrastava há 15 anos terminou após a condenação das emissoras Record TV e Record News a veicularem quatro programas sobre as religiões de origem africana. Um acordo entre as partes permitiu o encerramento da disputa.

 

Um acordo assinado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) firmou que a Record News terá de conceder direito de resposta em quatro programas de televisão com duração de 20 minutos cada, sendo que três deles devem ser educativos sobre os cultos afro-brasileiros, como umbanda e candomblé, e um no formato documental, relatando a Ação Civil Pública que levou à condenação.

 

De acordo com informações do jornal O Globo, as transmissões deverão priorizar conteúdos informativos e culturais que abordem aspectos como origem, tradições, organização, rituais e outros elementos das religiões afro.

 

O acordo foi negociado pelo desembargador Paulo Fontes, coordenador do Gabinete de Conciliação do TRF-3, e foi concluído depois que a Record TV conseguiu se livrar da obrigação de veicular os vídeos em sua programação. Essa era uma exigência imposta na condenação feita em 2018 pelo TRF-3, que havia estipulado também que os programas durassem uma hora cada. Com o acordo, fechado após recurso das emissoras, houve também redução no tempo.

 

A ação de autoria do Ministério Público Federal, junto ao Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira (Itecab) e ao Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (Ceert), havia sido apresentada à Justiça em 2004.

 

No acordo ficou acertado que a Record News irá pagar pela produção dos programas, que serão concebidos pelo Itecab e o Ceert. Além disso, os vídeos deverão ser aprovados pelos canais do Grupo Record e serão transmitidos três vezes. As duas emissoras, ambas de propriedade do bispo Edir Macedo, também deverão pagar R$ 300 mil de indenização para o Itecab e o mesmo valor à Ceert.

 

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS