Versículo do dia
Na multidão de palavras não falta transgressão, mas o que modera os seus lábios é prudente.

Conselho de Igrejas promove campanha nas redes sociais contra a redução da maioridade penal

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

maioridadepenalO projeto de redução da maioridade penal que tramita na Câmara dos Deputados vem sendo alvo de manifestações de apoio e de repúdio por lideranças religiosas. O presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), manifestou a intenção de votar a PEC ainda em junho.

 

O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), que já havia se manifestado contra a proposta, voltou a criticar o uso de argumentos religiosos em defesa da redução da maioridade penal.

 

“O objetivo do Conselho é chamar atenção para a importância de um debate mais profundo sobre o tema e, também, rechaçar o viés religioso como argumento para a redução. A participação tem sido ampla”, disse, em comunicado, referindo-se a uma campanha que propõe manifestações através das redes sociais com a hashtag #NãoEmMeuNome

 

De acordo com a pastora Romi Bencke, secretária-geral do CONIC, a proposta de redução da maioridade penal – que prevê punições para crimes cometidos por adolescentes maiores de 16 anos – é um equívoco, visto que a infraestrutura social de educação e inclusão social existente é considerada insuficiente e ineficaz.

 

“É importante que pessoas religiosas ou não se manifestem. Relacionar argumentação bíblica para justificar a redução é uma incoerência com o próprio mandato cristão, uma vez que Jesus nos convida para sermos proclamadores e proclamadoras da paz. Uma das dimensões da fé é assumir nossa responsabilidade diante das rupturas que estabelecemos com Deus. Se menores praticam infrações graves, cabe à sociedade de uma maneira ampla refletir sobre o porquê disso. Não é possível penalizar jovens quando vivemos em um dos países mais desiguais do mundo.

 

A penalização de jovens diante dessa desigualdade é cinismo. Além disso, o problema maior do país é o assassinato de crianças e adolescentes. Dados indicam que entre 1980 e 2010, o número de crianças e adolescentes assassinadas cresceu em 346%. Só em 2010, foram assassinados 8.686 crianças e adolescentes em nosso país, o que representa 24 crianças e adolescentes por dia! Por que os parlamentares que estão propondo esta alteração não se preocupam com esses números?”, questionou Bencke.

 

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS