Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 21/02/2019

Corinthians lança campanha onde se apresenta como “religião” e com santinhos

Que o brasileiro é amante do futebol isso é inegável, mas se depender de uma nova campanha de marketing do Corinthians Futebol Clube, essa paixão será elevada para outro nível, o da religião!

 

O “corinthianismo” é a nova aposta do clube para fidelizar ainda mais seu torcedor, como se já não bastasse toda a devoção atribuída ao time pela Gaviões da Fiel, torcida organizada do time. Até santinhos com a foto dos ídolos do clube e os 10 mandamentos já foram criados.

 

“O Corinthians é muito mais que um clube de futebol. O Corinthians é uma religião”, diz um vídeo lançado pelo clube, que mostra momentos de altos e baixos como o rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2007 e a eliminação diante do Tolima (COL) na pré-Libertadores de 2011, mas com sua ascensão no final.

 

“É uma grande nação, mas muito mais que isso. O Corinthians é uma voz. O Corinthians é uma força, é uma forma de expressão que a sua população tem”, continua a produção.
Durante uma entrevista para o programa ‘Bem Amigos!’, do Sport TV, Luis Paulo Rosenberg, diretor de marketing do Corinthians, disse literalmente que a intenção da campanha é buscar “a alma” do torcedor, destacando o caráter singular da sua torcida.

 

“O grande desafio do marketing de futebol é buscar a alma. Tem clubes que veneram ídolos do passado, alguns que veneram o jeito do clube jogar, outros tem o prazer em cornetar. E nesses dez anos, a gente percebeu que o que nos distingue é a Fiel”, disse ele.
Rosenberg comparou a torcida do Corinthians a uma outra nação. “Há dez anos, nós identificamos como uma nação, como se fosse a Catalunha, uma nação dentro de outra nação”, disse ele segundo o UOL, reforçando o caráter religioso do “corinthianismo”.

 
“A ideia é que não é uma nação, é uma religião. […] Tentamos encarnar isso. Queremos mostrar que ninguém tem mais tolerância ao sofrimento que a nossa, porque sabemos que a volta é gloriosa”, conclui Rosenberg.

 

Gospel +