Versículo do dia
Mas ele sabe o meu caminho; prove-me, e sairei como o ouro. Nas suas pisadas os meus pés se afirmaram; guardei o seu caminho e não me desviei dele.

Cristã, Miss Universo se torna símbolo contra ditadura na Venezuela

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

downloadA jovem cristã Stefanía Fernández, 24, é o emblema vivo da luta de milhões de venezuelanos – entre eles, milhares de evangélicos – contra a ditadura de Nicolás Maduro. Em um ato de coragem, a modelo aceitou posar para uma campanha em defesa da liberdade de expressão e dos direitos humanos na Venezuela. Stefanía foi eleita Miss Universo em 2009.

 

As fotos são chocantes. Nela, a modelo aparece suja, maltrapilha, com lágrimas de sangue escorrendo pelo rosto, e erguendo suas mãos amarradas. Na cabeça, a coroa de Miss Universo. A campanha chama a atenção do mundo para os meios violentos e arbitrários utilizados por Maduro para reprimir estudantes, trabalhadores e políticos opositores.

 

“O que queremos é destacar a paz entre todos os venezuelanos, não importa de que quadrante político, já que a deterioração da liberdade de expressão afeta a todos”, disse o fotógrafo Daniel Bracci, criador da campanha “Venezuela sem mordaças”.

 

Stefanía compartilhou a sua foto em seu Twitter e foi alvo de críticas por internautas: “Não me pagam por protestar de forma pacífica e defender o meu país”, escreveu, em resposta a um dos críticos.

 

Anistia Internacional condena repressão na Venezuela

 

A Anistia Internacional declarou que o governo da Venezuela não está “respeitando o direito aos protestos pacíficos” de seus opositores e pediu que o governo do país respeite a “livre expressão” dos grupos críticos ao presidente Nicolás Maduro.

 

“A causa da luta do governo da Venezuela é importante, é pela justiça social, mas isso não pode ser feito sem que se respeite os direitos humanos, inclusive quando se fala dos opositores. Todos têm o direito à expressão”, disse o secretário-geral da Anistia Internacional, Salil Shetty, à imprensa no México.

 

Na visão da Anistia Internacional, o Estado venezuelano não respeitou o direito aos protestos pacíficos. “Observamos que o governo da Venezuela desrespeitou liberdades fundamentais, como a da expressão, reunião e associação, e nós somos muito críticos com isso”, disse Shetty.

 

OUTRAS NOTÍCIAS