Versículo do dia
Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.

Cuba liberta pastor após um ano de prisão por educar os filhos em casa

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuba libertou o pastor cristão Ramon Rigal, que passou mais de um ano na prisão por educar em casa seus filhos.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF, sigla em inglês), um painel bipartidário independente de especialistas que assessora o Congresso e o governo federal, emitiu um comunicado quarta-feira elogiando a libertação de Rigal.

Rigal, que foi preso com sua esposa, Ayda Expósito, em abril de 2019, cumpria um mandato de dois anos e estava programado para ser libertado em 2021. Embora não esteja claro por que ele recebeu a liberação antecipada, o governo divulgou que milhares de prisioneiros nos últimos meses foram libertos para combater a propagação do coronavírus.

A libertação do pastor foi confirmada pelo pastor Mario Felix Lleonart Barroso, um missionário que foi preso várias vezes pelo governo cubano antes de ele e sua família chegarem aos EUA como refugiados em 2016.

“Você pode dizer a todos os irmãos que estão orando por nós que somos muito gratos por suas orações e por todo o apoio que você nos deu”, disse Rigal em comunicado compartilhado por Barroso. “Eu sei que essas orações chegaram ao trono de Deus e as responderam. É lindo ver como, mesmo que não me conheçam pessoalmente, se importam comigo e com minha família, colocando-o em prática. ”

De acordo com o USCIRF, Rigal e sua esposa foram presos por educarem em casa seus filhos depois que expressaram preocupações com a promoção do socialismo e ateísmo nas escolas públicas.

O casal foi posteriormente condenado por “atos contra o desenvolvimento normal de um menor”. Ayda Expósito foi libertado da risão em abril de 2020.

“Enquanto saudamos a libertação do pastor Rigal e estamos emocionados por ele se reunir com sua família, essa não foi a primeira vez que o pastor Rigal e sua esposa foram presos por causa de suas crenças religiosas”, disse o comissário do USCIRF, James Carr, em comunicado.

“O governo cubano deve imediatamente deixar de assediar esse casal e permitir que todos os pais cubanos, incluindo os Rigals, criem seus filhos de acordo com sua própria fé.”

Em comunicado divulgado na quarta-feira, o USCIRF também pediu ao governo cubano que libertasse o jornalista independente Roberto Jesus Quinones Haces, que foi detido por tentar cobrir o julgamento do casal. Ele foi condenado a um ano de prisão em agosto passado pelo crime de “desobediência”.

A Christian Solidarity Worldwide, uma organização internacional que atende cristãos perseguidos em mais de 20 países, havia alertado anteriormente que o bullying de crianças nas escolas públicas por causa de suas crenças religiosas é “relativamente comum” em Cuba. A CSW informou que recebeu “vários casos” que envolvem filhos de pastores que têm oportunidades educacionais negadas.

“O objetivo das autoridades cubanas de crianças por causa de suas crenças religiosas ou de seus pais é uma violação deplorável dos direitos humanos fundamentais”, disse o presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, em comunicado em março.

Em dezembro passado, o Departamento de Estado dos EUA colocou Cuba em sua “lista de observação especial” de países que praticam ou toleram violações graves da liberdade religiosa.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

OUTRAS NOTÍCIAS