Versículo do dia
Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.

Demanda na Policlínica do Tomba aumenta quase 300 por cento

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

3182015093750Até julho, a Policlínica Osvaldo Monteiro Pirajá, localizada no bairro do Tomba, fez 168.554 atendimentos, quantidade que corresponde a 28% de toda a prestação de serviço nestas unidades na cidade, que somaram pouco mais de 600 mil em sete meses. Em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 44.664 procedimentos, o crescimento foi de 277%.

 

Além do Tomba, existem policlínicas no Feira X, Rua Nova, George Américo, Parque Ipê e no distrito de Humildes, mais a UPA 24h, na Mangabeira. A oitava unidade está sendo construída no distrito de Maria Quitéria. Nestas unidades são prestados atendimentos de baixa e média complexidades, em situação pré-hospitalar. Estas unidades atendem 24 horas.

 

O coordenador da unidade do Tomba, José Leal, além de ser imensa a área de cobertura, os casos de viroses – dengue, zika e chikungunya, nos últimos meses, foram decisivos para que a estatística de atendimentos aumentasse exponencialmente. “Passamos de aproximadamente 190 atendimentos para quase 500, por dia”, explica.

 

No laboratório o crescimento foi ainda maior, em relação aos outros atendimentos. A comparação entre um período e outro a demanda aumentou cinco vezes: passou de cerca de 120 exames por dia, para quase 600.

 

O pico nos atendimentos começou a ser registrado a partir de abril, de acordo José Leal, quando a temperatura na região começa a cair e logo depois da Micareta, quando normalmente acontece um surto de virose atribuída à grande concentração de pessoas durante a festa.

 

A dona de casa Marta Maia dos Santos, que mora no Fraternidade, disse que sempre que precisa de atendimento de urgência procura a Policlínica do Tomba. “Além da facilidade no atendimento, a gente também faz os exames, quando necessário”. Ela disse que observou o aumento no número de pacientes nos últimos meses. “Mas é assim mesmo, porque quando a gente precisa é para cá que vem”.

OUTRAS NOTÍCIAS