Versículo do dia
O que encobre o ódio tem lábios falsos, e o que difama é um insensato.

Depois de matar 150 estudantes cristãos, facção Al Shabab promete lealdade ao Estado Islâmico

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

2695084984-al-shababO líder espiritual e chefe do grupo militante Al Shabab na Somália, que no início deste ano massacrou cerca de 150 estudantes cristãos, prometeu lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

 

“Nós, os mujahideen da Somália, declaramos fidelidade ao califa como Ibrahim ibn Awad ibn Ibrahim al-Awad al-Qurashi,” disse Abdiqadir Mumin em uma fita de áudio, de acordo com Reuters. Mumin é comandante da Al-Shabaab na região de Puntland, na Somália.

 

A CNN destacou que o movimento rompe ainda mais o Al Shabab, já que a maioria de seus líderes restantes são leais a Al Qaeda. No entanto, uma fonte próxima ao grupo somali garantiu que a ligação com a Al Qaeda permanecerá por pouco tempo.

 

 

“Moralmente, eu vejo o EI como um grupo sanguinário, tirano e desviante”, disse a fonte. “Eu não sei por que eu me juntaria a eles. O EI não pode nos levar pelo armamento pesado ou para preencher nossas fileiras com os homens e conhecimentos devido a questões geográficas. A única coisa que temos a ganhar nos juntando a eles é a dinâmica.”

 

A Al Qaeda permanece na condição de rival do Estado Islâmico, apesar de compartilhar a mesma oposição contra o mundo ocidental. O grande ponto de discórdia entre os grupos tem sido os ataques causados pelo EI e a conquista de um grande número de cidades na Síria, que vão contra os desejos da Al Qaeda.

 

O EI já se aliou a outros grupos terroristas, entre eles se incluem os militantes nigerianos do Boko Haram. Outras facções de todo o Oriente Médio, Afeganistão, Paquistão e África do Norte também declararam lealdade à bandeira da jihad.

Cristãos: O Alvo

 

Al Shabab tomou as manchetes internacionais em abril de 2015, quando assassinou 152 pessoas — a maioria estudantes cristãos — em um ataque a Universidade de Garissa, no Quênia.

 

 

O tiroteio foi realizado por quatro homens do grupo, que separavam, intencionalmente, os estudantes cristãos dos muçulmanos, antes de matar os cristãos.

 

O grupo terrorista somali continuou em confronto com a União Africana e tropas reginais durante todo o ano. No mês do Ramadã, considerado sagrado pelos islâmicos, anunciaram promessas de assassinar os “não-crentes”.

 

“Estamos planejando para dar a quenianos não-crentes o verdadeiro sabor da Jihad (guerra santa) nos próximos dias e semanas”, disse um alto comandante da Al Shabab, em junho.

 

GUIAME

OUTRAS NOTÍCIAS