Versículo do dia
E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede.

Depois de matar 150 estudantes cristãos, facção Al Shabab promete lealdade ao Estado Islâmico

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

2695084984-al-shababO líder espiritual e chefe do grupo militante Al Shabab na Somália, que no início deste ano massacrou cerca de 150 estudantes cristãos, prometeu lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

 

“Nós, os mujahideen da Somália, declaramos fidelidade ao califa como Ibrahim ibn Awad ibn Ibrahim al-Awad al-Qurashi,” disse Abdiqadir Mumin em uma fita de áudio, de acordo com Reuters. Mumin é comandante da Al-Shabaab na região de Puntland, na Somália.

 

A CNN destacou que o movimento rompe ainda mais o Al Shabab, já que a maioria de seus líderes restantes são leais a Al Qaeda. No entanto, uma fonte próxima ao grupo somali garantiu que a ligação com a Al Qaeda permanecerá por pouco tempo.

 

 

“Moralmente, eu vejo o EI como um grupo sanguinário, tirano e desviante”, disse a fonte. “Eu não sei por que eu me juntaria a eles. O EI não pode nos levar pelo armamento pesado ou para preencher nossas fileiras com os homens e conhecimentos devido a questões geográficas. A única coisa que temos a ganhar nos juntando a eles é a dinâmica.”

 

A Al Qaeda permanece na condição de rival do Estado Islâmico, apesar de compartilhar a mesma oposição contra o mundo ocidental. O grande ponto de discórdia entre os grupos tem sido os ataques causados pelo EI e a conquista de um grande número de cidades na Síria, que vão contra os desejos da Al Qaeda.

 

O EI já se aliou a outros grupos terroristas, entre eles se incluem os militantes nigerianos do Boko Haram. Outras facções de todo o Oriente Médio, Afeganistão, Paquistão e África do Norte também declararam lealdade à bandeira da jihad.

Cristãos: O Alvo

 

Al Shabab tomou as manchetes internacionais em abril de 2015, quando assassinou 152 pessoas — a maioria estudantes cristãos — em um ataque a Universidade de Garissa, no Quênia.

 

 

O tiroteio foi realizado por quatro homens do grupo, que separavam, intencionalmente, os estudantes cristãos dos muçulmanos, antes de matar os cristãos.

 

O grupo terrorista somali continuou em confronto com a União Africana e tropas reginais durante todo o ano. No mês do Ramadã, considerado sagrado pelos islâmicos, anunciaram promessas de assassinar os “não-crentes”.

 

“Estamos planejando para dar a quenianos não-crentes o verdadeiro sabor da Jihad (guerra santa) nos próximos dias e semanas”, disse um alto comandante da Al Shabab, em junho.

 

GUIAME

OUTRAS NOTÍCIAS