Versículo do dia
E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.

Deputada evangélica critica insistência do governo em impor ideologia de gênero “goela abaixo”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

geovania-de-saA deputada federal Geovânia de Sá (PSDB-SC) fez um discurso em tom de crítica à estratégia do governo com relação à educação, sempre tentando burlar a decisão do Congresso Nacional quanto à ideologia de gênero.

 

 

Geovânia é vice-presidente da bancada evangélica e representa a região sul na diretoria do grupo de parlamentares evangélicos.

 

 

Dizendo-se “preocupada” com a citação de um trecho do livro “O Segundo Sexo”, da feminista Simone de Beauvoir, na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), em que a autora diz que “ninguém nasce mulher”, a deputada sugeriu contradição ao constatar que o tema da redação era justamente “a violência contra a mulher”.

 

 

“Todos sabem o quanto esse Parlamento trabalhou para não passar o Plano Nacional de Educação (que previa a implantação da ideologia de gênero no currículo escolar). Após [isso], os governos estaduais também trabalharam para não passar. Não passou nas Câmaras Municipais […] Mesmo assim, o governo colocou de goela abaixo no ENEM, para que as escolas do nosso país viessem a tratar essa questão nos seus currículos”, protestou Geovânia de Sá.

 

 

“Fiquei muito preocupada. Em que país nós estamos? O que é que nós queremos para as próximas gerações, para os nossos filhos, netos? Os valores estão invertidos. O que era certo passou a ser errado. O que era errado passou a ser certo. O STF discutindo agora a liberação das drogas… Enquanto mães, pais, estão desesperados em busca de uma saída para seus filhos [do vício], porque não têm onde recuperá-los, não existe recursos do governo federal”, lamentou a deputada.

 

 

Ao longo do discurso, ela lamentou que o país viva uma crise de proporções gigantescas, que tem implicado na redução de recursos destinados à educação, e que o governo e setores da sociedade ainda se dediquem a discutir a liberação das drogas.
Assista:

 

 

 

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS