Versículo do dia
Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas.

Deputada evangélica critica insistência do governo em impor ideologia de gênero “goela abaixo”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

geovania-de-saA deputada federal Geovânia de Sá (PSDB-SC) fez um discurso em tom de crítica à estratégia do governo com relação à educação, sempre tentando burlar a decisão do Congresso Nacional quanto à ideologia de gênero.

 

 

Geovânia é vice-presidente da bancada evangélica e representa a região sul na diretoria do grupo de parlamentares evangélicos.

 

 

Dizendo-se “preocupada” com a citação de um trecho do livro “O Segundo Sexo”, da feminista Simone de Beauvoir, na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), em que a autora diz que “ninguém nasce mulher”, a deputada sugeriu contradição ao constatar que o tema da redação era justamente “a violência contra a mulher”.

 

 

“Todos sabem o quanto esse Parlamento trabalhou para não passar o Plano Nacional de Educação (que previa a implantação da ideologia de gênero no currículo escolar). Após [isso], os governos estaduais também trabalharam para não passar. Não passou nas Câmaras Municipais […] Mesmo assim, o governo colocou de goela abaixo no ENEM, para que as escolas do nosso país viessem a tratar essa questão nos seus currículos”, protestou Geovânia de Sá.

 

 

“Fiquei muito preocupada. Em que país nós estamos? O que é que nós queremos para as próximas gerações, para os nossos filhos, netos? Os valores estão invertidos. O que era certo passou a ser errado. O que era errado passou a ser certo. O STF discutindo agora a liberação das drogas… Enquanto mães, pais, estão desesperados em busca de uma saída para seus filhos [do vício], porque não têm onde recuperá-los, não existe recursos do governo federal”, lamentou a deputada.

 

 

Ao longo do discurso, ela lamentou que o país viva uma crise de proporções gigantescas, que tem implicado na redução de recursos destinados à educação, e que o governo e setores da sociedade ainda se dediquem a discutir a liberação das drogas.
Assista:

 

 

 

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS