Versículo do dia
Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).

Deputados da bancada evangélica fazem protesto na Câmara contra a Parada Gay: “Viva Jesus”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

bancada-evangelica-protesto-parada-gayOs parlamentares que integram a bancada evangélica fizeram um protesto ontem, quarta-feira, 10 de junho, contra os gestos considerados agressivos dos militantes LGBT durante a Parada Gay no último domingo, 07 de junho.

 

Com cartazes e faixas que mostravam as cenas de sexo explícito e ultraje aos símbolos cristãos, os deputados interromperam uma sessão da Câmara que discutia pontos da reforma política, aos gritos de “respeito” e “família”.

 

Ao final, deram as mãos em torno da tribuna e da mesa diretora e oraram o Pai Nosso, com um grito de “viva Jesus Cristo” ao final. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que também integra a bancada evangélica, participou do protesto, de acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo.

 

Assim que a oração foi concluída, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF) fez um discurso contra a discriminação da religião e a profanação dos símbolos de fé. De acordo com o parlamentar, os manifestantes pró-LGBT estão “fazendo o que ninguém imaginava, que é unir todas as religiões”, só que contra eles.

 

Rosso apresentou, na última segunda-feira, um projeto de lei que torna o ultraje a culto em crime hediondo, como resposta à manifestação da Parada Gay. A proposta altera as penas previstas no Código Penal, que atualmente são de um mês a um ano de prisão, mais pagamento de multa, para quatro a oito anos de prisão, mais multa.

 

Outros deputados da bancada evangélica também discursaram contra a Parada Gay, e causaram incômodo em alguns parlamentares. Dentre eles, Roberto Freire (PPS-SP): “Eu respeitei a manifestação, mas não pode ter nenhuma reza neste plenário. Tem que se respeitar o plenário. Vamos respeitar a República laica brasileira”, afirmou, sendo vaiado em seguida.

 

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS