Versículo do dia
Vós, mulheres, estai sujeitas a vosso próprio marido, como convém no Senhor. Vós, maridos, amai a vossa mulher e não vos irriteis contra ela.

Dieta com excesso de proteína pode sobrecarregar os rins

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Por promover uma aceleração na perda de peso e ganho de massa muscular, as dietas hiperproteicas vem ganhando cada vez mais adeptos.

 

Embora as proteínas contribuam com a renovação de músculos e tecidos, o seu processo promove a produção de ureia, que pode sobrecarregar os rins já doentes, aumentar a sua taxa de filtração e acelerar a progressão da doença renal.

 

Se não houver uma hidratação adequada, o excesso de excreção de ureia abre portas para a formação de cristais de ácido úrico, cálculos renais e até mesmo crise de gota.

 

O risco é ainda maior em pessoas com doenças pré-existentes nos rins ou histórico familiar de doença renal. “Antes de iniciar uma dieta ou consumir qualquer suplemento alimentar, é preciso fazer um check-up. No caso específico de dietas com alto consumo de proteínas, é necessário descartar a presença de doença renal pré-existente que é, muitas vezes, desconhecida por ser silenciosa e sem sintomas”, orienta a nefrologista do Hospital do Coração, Dra. Leda Lotaif.

 

Entre as principais consequências do excesso de proteínas, destacam-se o aumento do risco de doenças cardiovasculares, pedra nos rins, aumento de peso e problemas no fígado.

 

Para evitar complicações, é fundamental ter moderação e conhecer a quantidade ideal de proteínas que se deve comer. “A recomendação deve ser individualizada, levando em consideração a idade, doenças de base, atividade e objetivos da pessoa”, observa Lotaif.

 

Pacientes com doença renal crônica (DRC) em hemodiálise, de acordo com a Dr. Leda, devem consumir de 1 a 1,2g de proteína por quilo de peso diariamente. Já para os que os portadores de DRC que não fazem hemodiálise. Recomenda-se de 0,6 a 0,8g de proteína a fim de retardar a evolução da doença renal.

 

“Em indivíduos saudáveis, com função renal normal, não existe contraindicação formal para dieta hiperproteica, embora os seus efeitos por períodos prolongados não sejam bem conhecidos”, explica a nefrologista.

 

Equilíbrio é fundamental

 

Com uma dieta equilibrada é possível obter a quantidade ideal de proteínas, carboidratos e lipídios que o corpo precisa. Carne, peixe, ovo, leite, queijo e iogurte são ricos em proteínas de origem animal. Além disso, vegetais como ervilha, feijão e soja também possuem boas quantidades do nutriente.

 

“Basta consumi-los na proporção adequada para garantir um bom resultado de manutenção e produção de massa muscular, sem a necessidade de suplementação”, recomenda.

 

GUIAME

OUTRAS NOTÍCIAS