Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 18/09/2019

Dráuzio Varella ataca o conservadorismo e debocha da luta contra a ideologia de gênero

O médico Dráuzio Varella publicou um artigo com críticas ao conservadorismo por causa dos conceitos e valores que rejeitam a libertinagem sexual, e chamou de demagogos aqueles que se opõem à “ideologia de gênero”.

 

“Mal começamos a entender a diversidade sexual humana, vozes medievais emergiram das catacumbas para inventar a tal ‘ideologia de gênero’”, criticou o médico, sem reconhecer a existência de um movimento progressista que prega, segundo eles próprios, a identidade de gênero como uma “construção social”.

 

Conhecido por suas séries sobre saúde para o Fantástico, da TV Globo, Varella atacou os conservadores (entre os quais se incluem os cristãos) como “moralistas de botequim”, afirmando que a defesa de valores e conceitos tradicionais na área sexual é uma forma de “repressão do comportamento homossexual”.

 

“Para muitos, a homossexualidade é uma opção de gente sem vergonha. Repetem esse absurdo porque são ignorantes, sem a menor noção das raízes biológicas e comportamentais da sexualidade”, escreveu Varella no artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo.

 

Dráuzio Varella, que se especializou em oncologia, vai além em seu ataque ao conservadorismo dizendo que a sociedade está repleta de “boçais se orgulham das idiotices que vomitam com ares de sabedoria”.

 

“Vários demagogos se apropriaram do preconceito social, para criar a tal ‘ideologia de gênero’, com o pretexto de defender a integridade da família brasileira. Partem do princípio de que assim ganharão mais votos, uma vez que os iletrados são maioria num país de baixa escolaridade, infelizmente”, disparou.

 

Ao final, critica a iniciativa do prefeito Marcelo Crivella (PRB-RJ), que foi à Justiça pedir a identificação de conteúdo impróprio para crianças e adolescentes na Bienal do Livro: “Mandar recolher livros e disputar a primazia do combate a essa ideologia cretina e sem sentido é apenas uma demonstração de arrogância preconceituosa tão a gosto dos pobres de espírito”.

 

Gospel +