Versículo do dia
O que come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.

Eleições 2020: Assembleia de Deus proíbe apoio de pastores a candidatos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Em comunicado interno divulgado na última quinta-feira (1º), o pastor Silas Paulo de Souza, presidente recém-eleito da igreja Assembleia de Deus, em Mato Grosso, proibiu os pastores de setor, de sub-congregações, líderes de departamento e membros que exerçam cargos na igreja, de se envolverem em campanhas políticas na eleição de novembro.

O documento ainda diz que o membro da igreja que quiser manifestar apoio a qualquer candidato que seja poderá perder o cargo e que, caso insista, terá que abandonar a função dentro da Assembleia de Deus.

O comunicado também deixa claro que os membros que se lançaram candidatos a eleição e que exercem função dentro da administração da igreja, precisará entregar o cargo, assim como os que desejam apenas apoiar candidaturas.

A Assembleia de Deus é hoje a maior igreja evangélica do Estado e conta com aproximadamente 400 mil fiéis.

A determinação chamou a atenção pelo fato de que nos últimos anos eletivos, a igreja teve vários membros candidatos, que inclusive foram eleitos como o ex-deputado federal Victório Galli (Patriota), o deputado estadual Sebastião Rezende (PSC).

A mudança ocorre logo após a morte do pastor Sebastião Rodrigues de Souza, tio do pastor Silas de Souza e antigo presidente da Assembleia de Deus que no mês de junho deste ano faleceu vítima do Covid-19.

Líder da igreja por mais de 50 anos, pastor Sebastião era avô do vereador Abílio Junior (Podemos), que neste ano se candidatou à prefeito de Cuiabá.

A assessoria de imprensa da Assembleia de Deus em Cuiabá, que preferiu não comentar o assunto.

Fonte: Olhar Direto

OUTRAS NOTÍCIAS