Versículo do dia
Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração.

“Eles permaneceram fiéis”, diz sacerdote sírio sobre reféns cristãos do Estado Islâmico

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

2965862116-estado-islamico-cristaos-coptasUm sacerdote sírio que foi mantido em cativeiro durante meses pelo grupo terrorista Estado Islâmico disse que antes de ser liberto, foi mantido em um dormitório subterrâneo com 250 outros cristãos que se recusaram a se converter ao islamismo, apesar de ser pressionado a cada dia.

 

 

“Os cristãos foram frequentemente questionado sobre sua fé e sobre a doutrina cristã, mas eles não se converteram ao islamismo, apesar de muita pressão. Eles foram fiéis. Esta experiência de julgamento fortaleceu a fé de todos, inclusive minha fé como um padre. É como se eu tivesse nascido de novo “, compartilhou o padre Jacques Murad, do mosteiro de Mar Elian, de acordo com a Agência Fides.

 

 

Os cristãos aos que o sacerdote faz menção seria um grupo de 250 pessoas sequestradas após a tomada da cidade de Qaryatayn (Síria), pelo Estado Islâmico.

 

 

O grupo terrorista que conquistou várias cidades em todo o Iraque e na Síria também sequestrou grandes grupos de reféns cristãos e impôs condições sobre aqueles que permaneceram, forçando-os a viver em condições adversas ou seriam executados.

 

 

Murad foi sequestrado por jihadistas que também invadiram o Mosteiro nos arredores de Qaryatayn, em 21 de maio, mas foi finalmente liberto em 11 de outubro.

 

 

A agência de notícias italiana, ANSA informou que fontes próximas ao sacerdote afirmaram que ele tinha sido liberto no início deste mês, mas eles não forneceram quaisquer detalhes sobre a sua libertação.

 

 

O padre disse que ele manteve as esperanças, apesar de seu sequestro: “Mesmo ao ser deportado, com as mãos atadas atrás das costas, eu surpreendentemente me repetia diversas vezes: Eu estou indo em direção à liberdade”.

 

O Estado Islâmico, que tomou a cidade de Qaryatayn em agosto, tem forçado os cristãos que permaneceram na cidade pagar o imposto islâmico ‘jizya’ e atender a uma longa lista de exigências, para que possam permanecer em suas casas.

 

 

O grupo terrorista também capturou outros cristãos e ainda está mantendo em cativeiro, pelo menos 180 assírios, seqüestrados durante ataques em massa contra aldeias do vale do rio Khabur, em fevereiro.

 

 

Surgiram relatos em outubro de que os terroristas planejam executar os 180 assírios, depois de os negociadores não terem conseguido corresponder ao alto preço exigido pela libertação destes reféns.

 

 

“As negociações, lideradas pelo Bispo Efrém Otnaial – chefe da Igreja do Oriente na Síria – foram suspensas, devido às exigências incabíveis ??do grupo terrorista”, revelou Osama Edward, diretor da Rede de Direitos Humanos assíria, observando que o EI pediu uma quantia de 12 milhões de dólares para libertar os reféns. “O Estado Islâmico ameaçou executar os reféns 180 se não pagar o resgate”, continuou ele.

 

 

Não se sabe ainda o que aconteceu com os assírios capturados, mas o grupo já executou dezenas de cristãos e outras minorias – por decapitação e / ou outros métodos – em todo os territórios que tomou.

 

 

Guia- me

OUTRAS NOTÍCIAS