Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 02/01/2020

Em vídeo, suspeito de atacar Porta dos Fundos chama integrantes da produtora de ‘marginais’ e ‘bandidos’

Mesmo foragido desde terça-feira, quando foi alvo de uma operação da Polícia Civil do Rio, o economista e empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise, de 41 anos, publicou um vídeo no Youtube nesta quarta-feira em que chama os integrantes da produtora de vídeo Porta dos Fundos de “criminosos, marginais e bandidos”. Para a polícia, Fauzi teria participado do ataque à sede da empresa na semana passada, no Humaitá, Zona Sul do Rio de Janeiro.

 

De acordo com o “RJTV”, da TV Globo, Fauzi teria informado a amigos, através de um aplicativo de mensagens instantâneas, que estaria em Florianópolis. A aparição na internet desafia a investigação da Polícia Civil do Rio, que divulgou mais cedo um cartaz com a foto do suspeito e uma oferta de R$ 2 mil como recompensa em troca de informações sobre o paradeiro dele.

 

No vídeo, Fauzi aparece no interior de uma residência enquanto fala sobre a relação da humanidade e do povo brasileiro com a religiosidade cristã. Ele critica o especial de Natal do Porta dos Fundos (“A primeira tentação de Cristo”) e afirma que a produtora seria responsável por agravar a miséria do país ao satirizar Jesus Cristo. Na obra, Jesus é retratado como homossexual. Apesar do discurso sobre a produção, Fauzi não comenta o ataque à produtora, realizado por um grupo de cinco pessoas. Ele foi identificado na investigação como o motorista do carro utilizado na ação.

 

— Quem fala mal do nome de Cristo prega contra o povo brasileiro. Povo brasileiro, povo humilde, povo pobre. Isso é um crime de lesa-pátria. Eles são criminosos, são marginais, são bandidos.

 

Em um dos trechos do vídeo, cuja data de gravação não foi informada, Fauzi mencionou diretamente os atores Gregório Duvivier e Fabio Porchat, dois dos sócios responsáveis pela produtora. O foragido, que é filiado ao PSL, fez críticas aos partidos de esquerda do Brasil e disse que o interesse das siglas é fazer com que os brasileiros se sintam desamparados para que possam conquistá-los nas próximas eleições.

 

Ao fim do discurso, Fauzi diz o próprio nome, afirma que é guardador de carros e pede que internautas compartilhem o vídeo e orem por ele.

 

A possível participação no ataque ao Porta dos Fundos não é a primeira ocorrência que coloca Fauzi na rota da polícia. Ele tem 20 anotações criminais — entre elas por ameaça, lesão corporal, desacato, extorsão e Lei Maria da Penha — e é investigado por envolvimento com uma milícia que atua no Centro do Rio. Em 2013, ele foi preso em flagrante por ter dado um soco no então secretário de Ordem Pública Alex Costa durante uma entrevista. Em fevereiro do ano passado, ele foi condenado a quatro anos de prisão pela Justiça do Rio no processo.

 

Extra