Evangélica é obrigada a manter nome de santa católica após decisão da Justiça

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Viver com um nome de batismo que lhe traz desconforto é algo ruim para qualquer pessoa. Quando isso se torna uma obrigação imposta por decisão judicial, parece ainda pior. Esse é o dilema vivenciado por uma mulher evangélica chamada Perpétua.

Perpétua disse que desde muito nova já não gostava do seu nome, até que agora, adulta e membro da igreja Assembleia de Deus, resolveu procurar a Justiça para mudar o seu registro civil, alegando que o seu nome lhe traz desconforto por se tratar de uma referência à santa católica “Nossa Senhora do Perpétuo Socorro“.

O caso foi parar no Tribunal de Justiça de São Paulo e foi decidido pela desembargadora Ana Maria Baldy, relatora do processo. Contudo, a decisão não favoreceu Perpétua, pois a magistrada alegou que alterações de nomes só devem ocorrer quando há casos em a pessoa é claramente ridicularizada pelo nome.

Nas palavras de Baldy, para ser alterado, o nome precisa ser “suscetível de expor a pessoa ao ridículo”. Segundo ela, “prenome ridículo é aquele que expõe a pessoa a escárnio, à zombaria, ao vexame, ao riso e ao sarcasmo, trazendo o constrangimento, a vergonha e, até mesmo, em caso extremos, o isolamento social.”

“Em que pese ao alegado desconforto com o prenome ‘Perpétua’, trata-se de nome relativamente comum, popular, nada havendo de excepcional ou imoral na sua utilização”, argumentou a magistrada.

Injustiçada?
Para Perpétua, no entanto, a situação de constrangimento existe no âmbito pessoal, psicológico. Ela disse que “aquele que carrega um nome para sempre é que sabe efetivamente se lhe traz constrangimento ou não”.

Talvez, um fato que comprova o argumento de Perpétua é uma decisão do próprio TJ-SP, favorável a mudança de nome de outra pessoa, chamada simplesmente de Lindinalva, que mudou para Lidiane.

No caso de Lidiane (ex-Lindinalva) outra desembargadora, chamada Maria de Lourdes Lopes Gil, reconheceu que a caracterização do constrangimento também ocorre no âmbito psicológico.

“Deverá prevalecer aqui o exame das razões íntimas e psicológicas da autora, diante da forte e evidente ojeriza que ela própria nutre pelo seu verdadeiro nome”, afirmou a magistrada. O caso de Perpétua ainda cabe recurso, segundo o UOL.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS