Versículo do dia
Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).

Evangélico, prefeito de cidade baiana causa polêmica ao estampar frase “Deus é Fiel” na sede da prefeitura

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

deus-e-fiel-belo-campoO uso da frase “Deus é Fiel” no patrimônio da prefeitura da cidade de Belo Campo (BA) tem gerado polêmica entre os cidadãos e a imprensa da região, que questiona se a expressão de fé não feriria a laicidade do Estado.

 

O prefeito de Belo Campo, Cezar Ferreira (PSD), é evangélico, e quando foi abordado sobre o assunto, questionou se era errado usar a frase de gratidão: “É pecado colocar o nome de Deus?”, perguntou.

 

A cidade de Belo Campo possui 20 mil habitantes e faz parte da região de Vitória da Conquista, localizada a 616 km da capital Salvador.

 

Ferreira vem enfrentando problemas com a Justiça Eleitoral por conta de suspeita de compra de votos nas eleições de 2012. Em abril deste ano, seu mandato foi cassado, porém ele recorreu da sentença e foi recolocado no cargo até que o caso seja julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

 

No entanto, o prefeito já tem planos para o futuro, independentemente do resultado do julgamento: “Vou me aposentar. Serei pregador do evangelho”, disse o político ao blog do Anderson, página dedicada à política do sudoeste baiano.

 

Estado laico

 

O debate sobre a presença de símbolos religiosos em repartições públicas vem sendo feito há alguns anos no cenário nacional.

 

Em 2011, o Ministério Público Federal (MPF) moveu ação pedindo a retirada da frase “Deus Seja Louvado” das cédulas da moeda nacional, porém a Justiça Federal negou o pedido, lembrando que a Constituição Federal traz em seu conteúdo a afirmação de que ela foi concebida “sob Deus”.

 

Já em 2013 a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF entrou com uma ação solicitando a retirada de todos os símbolos religiosos de repartições públicas federais em São Paulo, porém a Justiça negou o pedido.

OUTRAS NOTÍCIAS