Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 01/11/2019

Evangélicos denunciam falta de liberdade religiosa na Itália

Em 26 de junho de 2019, a igreja italiana Punto Luce (Light Point) recebeu uma ordem do município de San Giuliano Milanese em Milão, na Itália, que os proibiu de se encontrar em suas instalações.

 

Desde então, os 70 membros da igreja não têm mais um lugar para encontrar e viver sua fé juntos.

 

Eles foram proibidos de usar a propriedade alugada para “adoração, eventos culturais e centro social”.

 

Depois de vários anos de atividade da igreja, em dezembro de 2018, as autoridades locais verificaram o prédio do lado de fora e determinaram que ele não havia solicitado permissão antes da reunião.

 

Em resposta a esse fechamento, a igreja Punto Luce e a Aliança Evangélica Italiana (AEI) organizaram uma manifestação pacífica da igreja até a prefeitura de San Giuliano Milanese, alegando “liberdade de culto para todos”.

 

A marcha foi realizada no sábado, 26 de outubro, e contou com a presença de quase 200 pessoas de diferentes igrejas evangélicas.

 

O evento começou com o pastor da Igreja Punto Luce, Michael Schaafsma, explicando os motivos que levaram o Município de San Giuliano Milanese a ordenar o fechamento das instalações da igreja.

 

Posteriormente, o Presidente da AEI, Giacomo Ciccone, lembrou o papel e a presença dos evangélicos durante a unificação do país e do período fascista, e falou sobre a questão não resolvida do reconhecimento dos pastores como ministros de adoração e a ausência de uma lei sobre liberdade religiosa.

 

Denúncia na ONU

 

O fechamento das instalações da igreja também foi levado ao conhecimento das Nações Unidas, durante a Revisão Periódica Universal (UPR) da Itália, em 30 de setembro de 2019, um procedimento pelo qual todos os estados membros da ONU são esperados, a cada quatro anos, para se submeterem a um exame geral no campo dos direitos humanos.

 

Wissam al-Saliby (oficial de defesa da WEA), Damaris Marletta (advogada da AEI), Michael Mutzner (representante permanente da WEA nas Nações Unidas), Marjie Davidsdochter (defensora dos direitos humanos da WEA), presidente Ciccone e pastor Schaafsma destacaram que a liberdade religiosa está ameaçada na Itália e a igreja Punto Luce sofreu um sério dano.

 

O Presidente Ciccone também falou sobre a presença predominante da Igreja Católica nas redes de serviço público, o que leva a uma disparidade de tratamento com relação à religião majoritária.

 

Fabrizio Petri, Presidente do Comitê Interministerial de Direitos Humanos da Itália, disponibilizou-se para uma reunião em Roma para examinar melhor as questões levantadas.

 

Fonte: Guia-me com informações de Evangelical Focus-Foto: Reprodução/Damaris Marletta