Versículo do dia
Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina.

Evangélicos participam de manifestações contra a nova lei de bioética da França

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Milhares de pessoas se juntaram a uma das 61 manifestações realizadas em toda a França em 10 de outubro para protestar contra a nova lei de bioética, que entrou na fase final de seu processo parlamentar e pode ser implementada em 2021.

Em Paris, cerca de 1.000 pessoas se reuniram sob o lema “Marchons Enfants!” (Andem Crianças) para defender os direitos das crianças e denunciar os efeitos negativos de abrir a procriação medicamente assistida sem pai a todas as mulheres, sem restrições.

Cantos durante o encontro, chamados a “respeitar a dignidade humana” e deter uma lei que “não é bio nem ética” . “Nenhuma criança sem pai” e “não ao negócio da procriação” onde outras ideias foram ouvidas.

Imagens nas redes sociais mostraram encontros com centenas de pessoas em outras cidades, como Chambéry, Strasbourg, Rennes, Nantes e Niort. Em todos os casos, os manifestantes usavam máscaras faciais. Em várias cidades, incluindo Paris, ativistas de extrema esquerda organizaram pequenos contraprotestos.

Evangélicos denunciam “comercialização de crianças”

Entre as entidades que pertencem aos “Marchons enfants!” está o Comitê Evangélico Protestante da Dignidade Humana (CPDH). A entidade denunciou que a França está abrindo as portas para a “seleção humana” e a “comercialização de crianças” .

“Se a lei fosse adotada, a privação voluntária e legal da filiação paterna seria totalmente inaceitável e impensável tanto do ponto de vista da proteção da igualdade republicana entre os filhos quanto do respeito à Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança”, o CPDH disse em um comunicado recente .

O órgão evangélico afirmou ainda que as promessas de um “debate sincero com a sociedade” feitas pelo primeiro-ministro francês não foram cumpridas .

Em entrevista ao Evangelical Focus , o presidente do CPDH, Franck Meyer, disse que “a vontade do presidente Emmanuel Macron é claramente transgressora em relação à bioética” .

Eles pediram “uma moratória ao projeto de bioética” e um esforço renovado para ouvir a sociedade civil a aprovar uma lei que respeite a dignidade humana e os direitos das crianças.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus

OUTRAS NOTÍCIAS