Versículo do dia
Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus, E eis que em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.

Evangélicos são maioria entre policiais que expressam fé nas redes sociais, diz estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Um levantamento realizado para compreender o comportamento dos policiais sobre manifestações de fé nas redes sociais concluiu que não é comum que estes servidores públicos façam publicações deste tipo, mas dentre os que fazem, a maioria parte de evangélicos.

A empresa Decode, especializada em análise de dados, monitorou a atividade de 879 membros das polícias Militar, Civil e Federal para mapear o comportamento dos policiais nas redes sociais, prioritariamente o Facebook. O relatório do estudo foi divulgado na última terça-feira, 22 de setembro, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

Dentro do universo pesquisado, 76% dos agentes não registraram atividade relevante em páginas religiosas. Entre os 24% restantes, 160 policiais (18%) compartilharam publicações de teor evangélico, sobretudo de igrejas pentecostais ou neopentecostais como Assembleia de Deus e Igreja Universal do Reino de Deus.

De acordo com informações da Folha PE, esse número é mais que três vezes superior à soma de publicações feitas por católicos (27), espíritas (23) e de religiões de matriz africana (2). Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do FBSP, comentou que a maioria dos policiais é comedida nas redes “por saber que estará sendo supervisionada, e há vários regulamentos sobre o que policiais podem ou não fazer”.

Trocando em miúdos, a conclusão é que mesmo que os policiais tenham vida religiosa ativa, há a tendência de não fazer exposição na internet. Lima, que é sociólogo, declarou que não vê surpresa no fato de que a maioria dos policiais que faz publicações de cunho religioso seja evangélica, uma vez que a profissão em si enfrenta deficiências crônicas historicamente, e quem está na ponta, executando o trabalho de segurança pública, sempre é cobrado.

“Problemas da área são transformados em problemas morais, associados ao certo e ao errado, às condutas individuais das pessoas”, avaliou. “Na prática, isso não permite que pensemos a segurança como política pública, com a responsabilização de toda a cadeia do comando. Ficamos sempre julgando o policial na ponta da linha. Isso abre espaço para grupos religiosos se apropriarem politicamente do debate e acolherem os profissionais com mensagens de pertencimento e reconhecimento”, acrescentou, em tom crítico.

Na avaliação do presidente do FBSP, a Igreja Universal é quem mais tem colocado ações objetivas em prática para atrair policiais: “A Universal está modulando o discurso do [partido] Republicanos para contemplar demandas ‘terrenas’ da base policial”, disse, reverberando uma compreensão generalizada de que a legenda é o braço político da instituição.

“Há aqui um movimento para assumir o controle da narrativa de que Bolsonaro defende os policiais, quando na prática ele não é nada diferente de outros governos na pauta das corporações e não atendeu a demandas históricas, como a criação do Ministério da Segurança”, comentou Lima, omitindo que o presidente conciliou a promessa de campanha de redução das pastas com a criação do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS