Facebook e Instagram proíbem conteúdo que promove ‘terapia de conversão’

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

Um psicoterapeuta profissional especializado em aconselhar pessoas com atração sexual indesejada denunciou uma recente proibição da mídia social, de postagens que promovem “terapia de conversão”.

Recentemente, o Instagram e seu proprietário, o Facebook, anunciaram que proibiriam conteúdos que promovessem a prática controversa da terapia de esforços de mudança de orientação sexual, ou o que os críticos chamam de “terapia de conversão”.

Christopher Doyle, conselheiro profissional e diretor executivo do Institute for Healthy Families (Instituto das Famílias Saudáveis), disse ao The Christian Post que considera a decisão das mídias sociais um “ataque à liberdade de expressão e liberdade religiosa”.

“Enquanto a empresa afirma que está adotando essa ação para impedir a discriminação contra a comunidade LGBT, as pessoas reais que estão sofrendo são aquelas que experimentam conflitos indesejados de identidade sexual e de gênero e buscam opções de cura e terapia ética e licenciada”, disse Doyle.

“Todos devem ter o direito de procurar ajuda para atrações indesejadas ou conflitos sexuais / de gênero sem interferência, e as empresas públicas não devem discriminar as opiniões, algumas das quais podem discordar para fins políticos”.

Doyle explicou que a decisão não deve afetar seu grupo porque ele não define suas práticas como constituindo “terapia de conversão”.

“Mas eu tenho clientes que têm conflitos indesejados de identidade sexual e de gênero que podem ser desencorajados por essas ações e se sentirem discriminados”, acrescentou.

Os principais sites de mídia social disseram à CNN Business que estavam tomando medidas para proibir conteúdo que promove a terapia de conversão.

“Não permitimos ataques contra pessoas com base em orientação sexual ou identidade de gênero e estamos atualizando nossas políticas para proibir a promoção de serviços de terapia de conversão”, disse Tara Hopkins, diretora de políticas públicas do Instagram para Europa, Oriente Médio e África em um comunicado , conforme relatado pela CNN.

“Estamos sempre revisando nossas políticas e continuaremos a consultar especialistas e pessoas com experiências pessoais para informar nossa abordagem”.

Hopkins explicou que eles já haviam removido o conteúdo de um grupo ministerial cristão sem fins lucrativos baseado no Reino Unido chamado Core Issues Trust.

A Core Issues Trust se opôs aos esforços para proibir a terapia destinada a tratar a atração indesejada por pessoas do mesmo sexo, tendo denunciado um relatório das Nações Unidas que apoiava a proibição da prática.

“Não se engane, este relatório é muito sinistro. Mistura alegações de tortura contra alguns estados membros com oposição a leis projetadas para proteger crianças de propaganda e sexualização gay ”, afirmou a organização.

“Ignora a história variada de diferentes abordagens à homossexualidade em diferentes países, culturas e religiões e, portanto, não promove o entendimento das questões. Se a ONU der o seu apoio oficial a este relatório, as liberdades básicas estarão em risco em todo o mundo. ”

Nos últimos tempos, muitos conservadores denunciaram a censura política de suas ideias nas principais plataformas de mídia social, como Facebook, Twitter e YouTube.

No final de maio, o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva destinada a punir sites de mídia social que censuravam indivíduos com base em suas visões ideológicas.

“Em um país que há muito tempo aprecia a liberdade de expressão, não podemos permitir que um número limitado de plataformas online escolha o discurso que os americanos podem acessar e transmitir on-line”, diz parte do texto da ordem executiva.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

OUTRAS NOTÍCIAS