Versículo do dia
Encha-se a minha boca do teu louvor e da tua glória todo o dia.

Facebook e Instagram proíbem conteúdo que promove ‘terapia de conversão’

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Um psicoterapeuta profissional especializado em aconselhar pessoas com atração sexual indesejada denunciou uma recente proibição da mídia social, de postagens que promovem “terapia de conversão”.

Recentemente, o Instagram e seu proprietário, o Facebook, anunciaram que proibiriam conteúdos que promovessem a prática controversa da terapia de esforços de mudança de orientação sexual, ou o que os críticos chamam de “terapia de conversão”.

Christopher Doyle, conselheiro profissional e diretor executivo do Institute for Healthy Families (Instituto das Famílias Saudáveis), disse ao The Christian Post que considera a decisão das mídias sociais um “ataque à liberdade de expressão e liberdade religiosa”.

“Enquanto a empresa afirma que está adotando essa ação para impedir a discriminação contra a comunidade LGBT, as pessoas reais que estão sofrendo são aquelas que experimentam conflitos indesejados de identidade sexual e de gênero e buscam opções de cura e terapia ética e licenciada”, disse Doyle.

“Todos devem ter o direito de procurar ajuda para atrações indesejadas ou conflitos sexuais / de gênero sem interferência, e as empresas públicas não devem discriminar as opiniões, algumas das quais podem discordar para fins políticos”.

Doyle explicou que a decisão não deve afetar seu grupo porque ele não define suas práticas como constituindo “terapia de conversão”.

“Mas eu tenho clientes que têm conflitos indesejados de identidade sexual e de gênero que podem ser desencorajados por essas ações e se sentirem discriminados”, acrescentou.

Os principais sites de mídia social disseram à CNN Business que estavam tomando medidas para proibir conteúdo que promove a terapia de conversão.

“Não permitimos ataques contra pessoas com base em orientação sexual ou identidade de gênero e estamos atualizando nossas políticas para proibir a promoção de serviços de terapia de conversão”, disse Tara Hopkins, diretora de políticas públicas do Instagram para Europa, Oriente Médio e África em um comunicado , conforme relatado pela CNN.

“Estamos sempre revisando nossas políticas e continuaremos a consultar especialistas e pessoas com experiências pessoais para informar nossa abordagem”.

Hopkins explicou que eles já haviam removido o conteúdo de um grupo ministerial cristão sem fins lucrativos baseado no Reino Unido chamado Core Issues Trust.

A Core Issues Trust se opôs aos esforços para proibir a terapia destinada a tratar a atração indesejada por pessoas do mesmo sexo, tendo denunciado um relatório das Nações Unidas que apoiava a proibição da prática.

“Não se engane, este relatório é muito sinistro. Mistura alegações de tortura contra alguns estados membros com oposição a leis projetadas para proteger crianças de propaganda e sexualização gay ”, afirmou a organização.

“Ignora a história variada de diferentes abordagens à homossexualidade em diferentes países, culturas e religiões e, portanto, não promove o entendimento das questões. Se a ONU der o seu apoio oficial a este relatório, as liberdades básicas estarão em risco em todo o mundo. ”

Nos últimos tempos, muitos conservadores denunciaram a censura política de suas ideias nas principais plataformas de mídia social, como Facebook, Twitter e YouTube.

No final de maio, o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva destinada a punir sites de mídia social que censuravam indivíduos com base em suas visões ideológicas.

“Em um país que há muito tempo aprecia a liberdade de expressão, não podemos permitir que um número limitado de plataformas online escolha o discurso que os americanos podem acessar e transmitir on-line”, diz parte do texto da ordem executiva.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

OUTRAS NOTÍCIAS