Família reclama de demora no julgamento de pastores; morte do adolescente estuprado e queimado vivo completa 20 anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

A morte do jovem Lucas Vargas Terra, que foi assassinado na capital baiana em março de 2001, completou 20 anos no domingo (21). Até agora, somente um dos três suspeitos de envolvimento no crime, o pastor Sílvio Galiza, foi condenado. A família segue em pedido de justiça e reclama da demora do julgamento de dois acusados.

Galiza acusado por homicídio qualificado com motivo torpe e ocultação de cadáver e, atualmente está em liberdade condicional. Já os ex-bispos Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda, denunciados a partir do depoimento de Galiza, em 2008, ainda aguardam julgamento.

O crime contra o adolescente Lucas Terra aconteceu em março de 2001, dentro de um templo da Igreja Universal do Reino de Deus, no bairro do Rio Vermelho, na capital baiana. Na época, a vítima tinha 14 anos e foi estuprada antes do assassinato. Lucas foi queimado vivo.

Na época, o pai da vítima apontou como motivo para o crime o fato do seu filho ter flagrado os pastores Joel e Fernando fazendo sexo, com base no testemunho de Galiza, dado depois da condenação.

A mãe de Lucas Terra, Marion Terra, fez um apelo para o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) julguem os acusados do crime, mesmo depois 20 anos da morte do filho.

“Essa força que eu tenho, como mãe, é porque eu sei que meu filho, eu não posso mudar nesse plano o que aconteceu, eu não posso trazer meu filho de volta, mas essa justiça que tanto eu quanto o Carlos [pai do adolescente] buscamos durante 20 anos, que completou ontem, que a justiça seja de fato efetivada na nossa vida”, disse.

“Eu quero um júri popular. Isso me machuca muito porque eu já perdi meu filho e eles continuam livres. O Fernando hoje, ele não é mais Fernando Aparecido da Silva, é Fernando Silva. Ele é bispo da Igreja Universal, eles continuam atuando como se nada tivesse feito, eles simplesmente continuaram vivendo a vida deles normalmente como se não tivessem matado Lucas”, concluiu.

G1 Bahia- Imagens TV Bahia

OUTRAS NOTÍCIAS