Feira lidera na geração de empregos no interior do Nordeste e impulsiona Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Estatística registrou novos postos de trabalhos nas atividades administrativas e Educação

Feira de Santana ocupa o primeiro lugar na geração de emprego entre os municípios do interior do Nordeste, no primeiro trimestre deste ano. Neste período foram gerados 2.301. A estatística considerou os municípios com mais de 30 mil habitantes.

Os municípios Luís Eduardo Magalhães (1.477), Barreiras (1.146); Campina Grande (1.111) e Petrolina (1.101) vêm na sequência. Os dados são do Informe Macroeconômico do Banco do Nordeste apurados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Vale enfatizar que a importância do peso na geração de emprego por parte de Feira e municípios avaliados aponta uma participação em média de 66,5% do saldo de emprego total gerado pelo Estado. Segundo o secretário municipal de Planejamento, Carlos Brito, esse resultado demonstra a pujança de Feira de Santana, independente da crise econômica que afetou o Brasil e o mundo.

“Os dados positivos representam a força da economia local. Feira é um grande polo na prestação de serviços onde gera e emprega a mão de obra”, afirma. O secretário acrescenta que o município “vem dando resposta positiva há algum tempo, especialmente nesse período de retomada econômica”.

Conforme o Informe Macroeconômico, em Feira, o saldo de emprego positivo foi impulsionado pela geração de novos postos de trabalhos nas atividades administrativas (+1.234) e Educação (+516).

RETOMADA ECONÔMICA

Vale destacar que o Governo Municipal implantou, em setembro de 2021, o Grupo Executivo para Captação de Recursos e Atração de Investimentos para alavancar a economia do município, sobretudo pós-pandemia, com a elaboração de estudos e estratégias para o fortalecimento dos diversos setores.

O vice-prefeito, Fernando de Fabinho, que coordena o Grupo Executivo, afirma que a gestão municipal seguirá empenhada em promover o crescimento econômico de Feira, tornando-o referência.

“Mesmo antes do final da pandemia, a Prefeitura já dialogava e discutia ações para geração de emprego e renda, a exemplo de sucessivas reuniões com o Senai Cimatec”.

Secom/ Foto: Izinaldo Barreto

OUTRAS NOTÍCIAS