Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 27/08/2018

Fenômeno de escultura que “chora” atrai fiéis e especialistas não conseguem explicar

Uma imagem alusiva à virgem Maria em um templo da Igreja Católica no estado de Novo México (EUA) está atraindo a imprensa internacional por conta de um fenômeno ainda sem explicações: a escultura parece estar chorando azeite.

 

A escultura de bronze de sete metros de altura conhecida na região como Nossa Senhora de Guadalupe parece estar “chorando”, segundo os líderes da paróquia, que fica na cidade de Hobbs, no condado de Lea.

 

De acordo com o jornal The Washington Post, uma pesquisadora da diocese de Las Cruces disse que suas “lágrimas” têm a mesma composição química que o azeite tratado com perfume – uma substância que, quando abençoada, seria o crisma, um óleo sagrado usado na Igreja Católica para ungir paroquianos.

 

No entanto, os líderes da igreja relatam que a ocorrência rara levou as pessoas de todo o mundo a virem para conversões, confissões e verem a estátua “chorar”. A pergunta, diz um especialista, não é apenas como isso está acontecendo (ou se está acontecendo naturalmente), mas como as pessoas estão reagindo ao fenômeno e por que podem querer acreditar nele.

 

“A Igreja Católica tem uma longa história de crença em sinais sobrenaturais”, disse John Thavis, que escreveu o livro The Vatican Prophecies (“As Profecias do Vaticano”, em tradução livre), de 2015, em uma entrevista por telefone à jornalista Lindsey Bever.

“Há uma espécie de curiosidade e entusiasmo quando algo assim acontece porque parece confirmar a crença tradicional de que Deus trabalha em nosso próprio mundo e, às vezes, o sobrenatural é visível em nosso mundo”, acrescentou Travis.

 

O fenônomeno começou no Domingo de Pentecostes, 20 de maio, quando os paroquianos da Igreja Católica Nossa Senhora de Guadalupe, em Hobbs, notaram que parecia haver lágrimas escorrendo dos olhos da escultura. O relato foi feito por Judy Ronquillo, que trabalha na igreja. Ela disse que a estátua continuou “chorando” no dia seguinte e em outros várioas dias.

 

O padre Jose Segura, que atua na paróquia, afirmou que em seus 12 anos de sacerdócio nunca viu nada igual e que primeiro se esforçou para acreditar que era real. Mas, como há câmeras na igreja, e nenhuma explicação feita pelo homem pode ser determinada; o padre afirmou que se houvesse evidência de que havia ação humana, ele jamais permitira que continuasse.

 

“É algo extraordinário para ele”, disse Ronquillo sobre o padre. “Ele não tem palavras para isso”, acrescentou a funcionária da igreja. “Houve um momento em que aconteceu que ele não acreditou, mas agora ele acredita”, reiterou.

 

Fotos e um vídeo divulgado pela igreja mostra a estátua com o que parece ser líquido dentro dos olhos e pelas bochechas, boca e queixo. Em uma foto, parece que a trilha lacrimal pode ter começado nas pálpebras superiores.

 

O diácono Jim Winder, vice-chanceler da diocese católica de Las Cruces, disse que havia líquido suficiente – cerca de 500 mililitros – que havia escorrido da escultura. Ele disse que ele e outros investigadores examinaram a estátua e a área circundante, incluindo o teto, e não havia sinais de que ela tivesse sido alterada de alguma forma.

 

Winder disse que os investigadores também falaram com o fabricante da escultura no México, dissipando quaisquer teorias de que a estátua – que é de bronze e oca – pode estar vazando ou segregando alguma substância.

 

Os investigadores coletaram cerca de cinco mililitros (ou uma colher de chá) das “lágrimas” e fizeram testes. Winder disse que os resultados mostraram que “a mesma impressão digital química do azeite tratado com algum tipo de perfume”, como o crisma.

 

“Não acreditamos que o óleo de crisma tenha sido retirado da igreja e usado para adulterar esta estátua”, disse Winder. Mas ele acrescentou que os oficiais da igreja ainda não têm respostas racionais. “Nós não temos uma explicação para isso”, declarou, de forma objetiva.

 

Oficiais da Igreja Católica não parecem tão preocupados com a razão pela qual a estátua da virgem Maria parece estar chorando lágrimas oleosas ou de onde as lágrimas podem estar vindo, mas, disse Winder, a diocese está monitorando a resposta de a comunidade. “Isso, com toda a sinceridade, é o mais importante – que levou as pessoas a estarem mais perto de Deus. Isso é o que realmente importa”, resumiu o diácono.

 

Thavis, um escritor e jornalista que escreveu sobre o Vaticano e outros assuntos religiosos, disse que quando aparentes fenômenos sobrenaturais ocorrem na igreja, os relatórios produzidos pelos católicos afirmam que essas manifestações atraem os fiéis, que vêm em busca de favor para suas orações, acreditando que Deus pode estar “fornecendo uma ligação direta, e assim, as pessoas querem aproveitar isso”.

 

O escritor disse ainda que nessas situações, o Vaticano geralmente permite que o fenômeno se desenrole sem endossá-lo, e que ele espera o mesmo dos bispos locais porque as ocorrências “muitas vezes acabam sendo falsas ou são explicadas pela ciência”. Mas pode levar anos para que se encontre uma resposta, disse ele, e depois há outras ocasiões em que, apesar de uma investigação completa, nenhuma explicação pode ser encontrada.

 

Já o diácono Winder disse que, neste momento, os investigadores não descobriram nenhuma evidência de que os eventos foram criados pelo homem, mas eles ainda estão monitorando a situação. “Se não for feito pelo homem, isso deixa duas fontes possíveis – satanás e Deus. Tudo o que podemos dizer neste momento é o que não é”, finalizou.

 

Em anos anteriores, casos de imagens que estariam vertendo lágrimas, atraíram fiéis católicos. Uma das situações ocorreu em Trujillo, no Peru, em 2014, dentro de um hospital mantido por uma entidade católica. Outro registro semelhante foi feito em 2008, quando uma escultura alusiva a Jesus supostamente vertia sangue.

 

 

Gospel +