Versículo do dia
Sujeitai-vos, pois, a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.

Filha de Flordelis admite ter dado dinheiro para irmã matar pastor Anderson e relata investidas sexuais da vítima

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Simone dos Santos, filha biológica da deputada federal Flordelis dos Santos, admitiu ter dado dinheiro para sua irmã, Marzy Teixeira, matar o pastor Anderson o Carmo. Ela alegou ter feito o pedido por desespero, uma vez que não aguentava mais as investidas sexuais por parte da vítima. As afirmações foram feitas nesta sexta-feira, na retomada dos interrogatórios dos acusados de envolvimento no assassinato após o recesso do Judiciário.

Simone alegou que não elaborou um plano para matar o pastor, mas apenas deu R$ 5 mil para Marzy lhe ajudar. Segundo a filha de Flordelis, depois que ela foi diagnosticada com câncer, em 2012, tiveram início as investidas da vítima.

— Ele sempre demonstrou (interesse), mas começou a dar a entender em 2012, quando ele começou a pagar meu tratamento. Ele falava para eu olhar para ele com carinho. Disse que se eu não andasse na cartilha dele, ele não pagaria meu tratamento — afirmou Simone.

A filha de Flordelis alegou ainda que chegou a flagrar Anderson se masturbando no pé de sua cama. Ela relatou também que o pastor subia em seu quarto “de manhã e de noite”.

Apesar de ter admitido ter dado dinheiro para Marzy matar Anderson, Simone alegou não saber se a irmã contratou alguém para cometer o crime.

— Dei R$ 5 mil para Marzy, disse que não aguentava mais. Pedi para ela me ajudar. Disse que estava passando por mais momentos. Não havia um plano. Só estava desesperada. Todos os dias ele subia no meu quarto de manhã e à noite. Mas eu nem acreditava que ela (Marzy) teria coragem de fazer isso de fato. Entreguei a ela o dinheiro e depois não soube de mais nada.

Questionada pela juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, Simone negou que sua mãe soubesse de sua intenção de matar o pastor. Ela também disse que não teve coragem de contar a mãe sobre as investidas do pastor.

— Ele sempre teve segundas, terceiras e quartas intenções comigo. Não tive coragem de contar para a minha mãe. Ela era cega, apaixonada por ele — afirmou.

Simone afirma que não estava em casa na noite do crime e negou participação nas tentativas de homicídio contra Anderson. Ela admitiu, no entanto, ter sido a responsável por jogar no mar os celulares da vítima, de Flordelis e de Flávio dos Santos, filho da deputada acusado de ter atirado em Anderson. Ela está presa desde agosto do ano passado, acusada de envolvimento na morte de Anderson.

Testemunhas do processo já relataram que Simone e Anderson foram namorados antes do pastor começar a se relacionar com Flordelis. Mãe de Anderson, Maria Edna do Carmo, relatou ainda em seu depoimento à Polícia Civil, em junho de 2019, ter ficado sabendo de boatos de que Anderson e Simone estavam tendo um caso amoroso. Apesar dos relatos, Simone negou que tenha sido namorada de Anderson.

Violência: Testemunha diz que filha de Flordelis se automutilou após briga com a deputada

Filha afetiva pediu para irmão matar pastor
Antes de Simone, Marzy, filha afetiva de Flordelis, prestou depoimento. Ela não relatou qualquer envolvimento de Simone na trama ou pedido dela para matar o pastor Anderson do Carmo. Questionada se o relacionamento de Simone com Anderson era bom, ela chegou a dizer que sim. Mas confrontada com a juíza sobre seu depoimento anterior na delegacia, quando afirmou não haver um bom relacionamento entre ambos, Marzy voltou atrás.

Marzy admitiu, apenas, ter pedido a seu irmão, Lucas dos Santos, para matar Anderson. Ela afirmou que ofereceu R$ 5 mil ao rapaz, além dos relógios de Anderson. A filha afetiva da deputada disse ainda que a morte do pastor era um desejo seu.

Questionada pela juíza se havia pedido a quantia para a mãe, Marzy negou e disse que o dinheiro estaria na mochila de Anderson. O pastor costumava levar consigo valores em espécie. Em nenhum momento, a filha afetiva de Flordelis mencionou que Simone havia lhe dado dinheiro.

Em seu depoimento na delegacia, dias após a morte de Anderson, Marzy já tinha admito ter feito a proposta para Lucas. O próprio rapaz também já havia relatado ter recebido o pedido. Marzy nega que Lucas tenha aceitado a proposta. Segundo ela, o rapaz afirmou que só aceitaria a proposta se Flordelis soubesse do plano.

Marzy negou que, num primeiro momento, a mãe soubesse de seu plano. Ela alega que apenas depois de ter feito a proposta acabou assumindo para a mãe que desejava matar Anderson.

— Ela ficou doida, quase apanhei — relatou Marzy.

Flordelis, em seu interrogatório, contou outra versão. A deputada alegou ter ficado sabendo da proposta de Marzy por Lucas. O próprio rapaz, em seu depoimento, também confirmou que ele foi o responsável por contar a mãe sobre o pedido de Marzy.

Caso Flordelis: ‘Ele se achava inatingível’, diz delegada sobre pastor assassinado

‘Simone planejou o crime’, diz advogada
Apesar de Simone ter reconhecido apenas participação em um plano para matar Anderson — que ela afirma não saber se foi executado — Daniela Grégio, a advogada da filha de Flordelis, admitiu que sua cliente é mandante do crime.

— Simone planejou o crime para defender sua honra e porque não aguentava mais as investidas (de Anderson). Nossa tese será de que ela sofreu coação moral irresistível — afirma Daniela.

Advogado de Flordelis, Anderson Rollemberg também afirmou que Simone confessou ser mandante e alegou que isso tira responsabilidade da deputada, que é acusada de ter arquitetado a morte do marido. Flordelis foi denunciada pelo Ministério Público e é ré no processo por ser mandante do crime.

Após a audiência desta sexta-feira, Flordelis não quis falar com a imprensa. Rollemberg alegou que ela estava extremamente abalada com as revelações feitas por Simone.

— Ela soube de tudo por mim, seu advogado, e está extremamente abalada, a base de medicamentos — afirmou Rollemberg.

Filho de Flordelis descreve rituais: ‘Não era normal no meio evangélico’

Além de Marzy e Simone, também foram interrogados Carlos Ubiraci, filho afetivo de Flordelis, Adriano dos Santos, filho biológico da deputada, e o ex-policial militar Marcos Siqueira, acusado de envolvimento na confecção de uma carta que tinha o objetivo de atrapalhar as investigações. Rayane, neta de Flordelis, e seu pai, André Luiz de Oliveira, filho afetivo da parlamentar, se mantiveram em silêncio e não quiseram prestar depoimento.

Flordelis já tinha sido interrogada, assim como seu filho, Lucas dos Santos, e a mulher de Marcos Siqueira, Andrea. Flávio dos Santos, filho biológico da deputada, já tinha se negado a dar declarações em outra audiência.

Com o fim dos depoimentos, a juíza abriu um prazo de cinco dias para as defesas, Ministério Público e assistente de acusação dizerem se desejam a realização de alguma diligência.

Em seguida, todos deverão apresentar as alegações finais no processo. Após essa etapa, a juíza decidirá os réus que irão a júri popular pelo crime.

Extra Globo

OUTRAS NOTÍCIAS