Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 18/06/2019

Filho da deputada Flordelis suspeito da morte do pai passa mal em delegacia 

Um dos filhos da deputada federal Flordelis (PSD), Flávio dos Santos Rodrigues, de 38 anos, teve crise de pressão alta com dores de cabeça e precisou de socorro na manhã desta terça-feira (18) na Divisão de Homicídios de Niterói, onde passou a noite, detido.

 

Flávio e um irmão, Lucas, são suspeitos de matar o pai, o pastor Anderson do Carmo de Souza. Uma das linhas de investigação é que a morte foi para vingar uma relação extraconjugal de Anderson.

 

Pouco antes das 10h30, uma ambulância do Samu foi até a delegacia para prestar atendimento a Flávio e saiu pouco depois, às 11h. O homem permaneceu na Divisão de Homicídios.

O promotor Sérgio Luís Lopes Pereira informou ao G1 na especializada que o Ministério Público do Rio de Janeiro vai entrar no caso.

 

Durante o enterro, nesta segunda-feira (17), a polícia agiu discretamente e prendeu Flávio, filho biológico de Flordelis – a deputada e Anderson do Carmo registraram 55 filhos, a maioria, adotada. Flávio tinha um mandado de prisão por violência doméstica.

 

Lucas, de 18 anos, que é adotado, foi preso na casa onde o pastor foi morto. Quando era menor, ele se envolveu com tráfico de drogas.

 

A deputada Flordelis rechaçou a hipótese de que um de seus filhos seja o autor do crime: “Isso é ridículo, acusar alguém sem provas”.

 

Ela acredita que o crime foi uma tentativa de assalto. “É nisso que eu acredito, que foi um assalto, e que ele morreu defendendo a família”, disse Flordelis durante o enterro.

 

30 marcas de tiros no corpo
Anderson foi assassinado com pelo menos 15 tiros na madrugada de domingo (16), na garagem de sua residência, em Pendotiba, Niterói. O laudo do Instituto Médico-Legal aponta que o corpo de Anderson tinha 30 perfurações, sendo nove na região da virilha e coxas.

 

Oito disparos foram feitos na região do peito e um tiro foi na cabeça, feito à curta distância. Segundo a polícia, essa informação aumenta a possibilidade de que o criminoso tenha atirado com a intenção apenas de matar o pastor.

 

Fotos: Alba Valéria Mendonça/Carlos Brito/G1