Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 10/02/2020

Futuro do cristianismo no Iraque preocupa líderes cristãos

O Estado Islâmico foi derrotado e os atentados e sequestros também diminuíram, mas os cristãos do Iraque ainda não acham o berço do cristianismo habitável e continuam deixando o país que agora se tornou uma terra de milícias, causando preocupações entre os líderes da igreja.

 

A paróquia de São José em Bagdá já teve 5.000 famílias, mas agora o número foi reduzido para 150 graças a um êxodo em massa na última década para o Ocidente. “Eles sentem que não há paz, lei ou justiça aqui em Bagdá, e que nosso país se tornou uma terra de milícias”, disse o pároco, padre Nadheer Dako, ao The Telegraph.

 

Um paroquiano, Nasib Hana Jabril, explicou ainda: “É verdade que as pessoas não estão mais sendo sequestradas tanto, e o Estado Islâmico se foi. Mas a infraestrutura do país foi arruinada e as pessoas querem um futuro melhor, não tanto para si, mas para seus filhos. ”

 

Os cristãos também estão preocupados com sua segurança, pois não têm redes tribais tradicionais de autodefesa. “Não temos tribo aqui, então, se as coisas derem errado, não há ninguém aqui para nos ajudar”, revelou o paroquiano.

 

Dako, que anteriormente serviu como padre em Londres, confirmou o que o paroquiano disse. “Voltando de Londres depois de seis anos, notei como a qualidade da educação em Bagdá diminuiu em quase todas as escolas primárias. A nova geração só tem muito pouca esperança de viver aqui. ”

 

Se os cristãos continuarem a sair, Dako teme: “Ainda haverá uma comunidade cristã aqui em Bagdá em 2050?”

 

A perseguição que os cristãos e outras minorias no Iraque enfrentam é “sem precedentes”, disse Loay Mikhael, chefe de relações exteriores do Conselho Popular da Síria Caldeu da Síria, na quarta-feira no evento lateral do Café da Manhã de Oração sobre perseguição religiosa em todo o mundo, co-organizado pelo Holocausto Museu em Washington, DC e 21Wilberforce.

 

Ele explicou que, devido à perseguição nas mãos do Estado Islâmico (EI), também conhecido como ISIS, a população cristã no Iraque diminuiu de 1,5 milhão para apenas 250.000. Ele disse que sua própria família foi forçada a se mudar devido a perseguição.

 

“Estamos em todo o mundo”, ele disse, “não por causa de nossa escolha, mas porque fomos forçados a fugir. O desafio é tremendo. ”

 

Depois que o EI foi expulso do Iraque, os cristãos esperavam que a vida voltasse ao normal e fosse “próspera” mais uma vez, disse Mikhael. No entanto, milhares de pessoas continuam deslocadas, desempregadas e traumatizadas com “a vida tirada deles na presença da comunidade internacional”.

 

Mikhael criticou o governo iraquiano por sua inação, explicando que nenhum oficial tentou “fazer algo tangível no terreno para trazer essas comunidades de volta às suas vidas”.

 

“É realmente indizível”, disse ele. “Acredito que, para restaurar a dignidade, é preciso criar empregos, melhorar a segurança …”

 

Ele instou a comunidade internacional a fazer esforços para melhorar a vida de cristãos, yazidis e outras minorias em seus países de origem, em vez de aceitar milhares de refugiados todos os anos. “As pessoas querem ficar”, enfatizou. “Ninguém quer sair.”

 

No ano passado, alguns meios de comunicação criticaram a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional por conceder uma doação para ajudar a restaurar as planícies de Nineveh e fortalecer as comunidades vitimadas pelo EI, alegando que a USAID poderia estar violando a Cláusula de Estabelecimento da Constituição dos EUA para “favorecer” grupos cristãos iraquianos com doações em um país predominantemente muçulmano.

 

No entanto, alguns defensores da liberdade religiosa disseram que consideravam que as críticas ao financiamento da USAID para esses grupos eram uma tentativa de transformar o desejo bipartidário dos Estados Unidos de ajudar as comunidades das minorias religiosas dizimadas pelo EI e à beira da extinção em uma questão “partidária”.

 

“É irracional, imoral e inconsistente com a teoria e a política internacionais de direitos humanos argumentar que os Estados Unidos não devem ajudar os cristãos ou um grupo religioso alvejado com genocídio religioso pelo ISIS”, Nina Shea, advogada internacional de direitos humanos do Hudson Institute, disse ao The Christian Post. “A conclusão deles é que os EUA não devem ajudar os sobreviventes do genocídio religioso porque eles são um grupo religioso, apesar de terem sido alvos por razões religiosas”.

 

Antes da administração Trump chegar ao poder em 2017, o financiamento da USAID para o Iraque foi canalizado pelas Nações Unidas. Mas muitos defensores falaram sobre como o financiamento da ajuda enviado à ONU não estava conseguindo ajudar milhares de cristãos deslocados.

 

O arcebispo Bashar Warda, de Erbil, cuja arquidiocese do Curdistão abrigava e alimentava milhares de cristãos deslocados, com medo de serem perseguidos em campos de deslocados da ONU, estava na vanguarda em falar sobre quão pouco ou nenhum auxílio ajudaria as famílias deslocadas que sua arquidiocese estava cuidando.

 

Folha Gospel com informações de The Christian Post