Governo do Estado entrega 1 milhão de máscaras em 190 municípios baianos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on google
Google+
Share on whatsapp
WhatsApp

O Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), já entregou 1 milhão de máscaras de proteção para 190 municípios baianos. Os itens foram confeccionados por 600 profissionais de costura do projeto “Trabalhando em Rede no Combate ao Coronavírus”, que promove geração de renda e auxilia no controle da pandemia.

Três entregas ocorreram nesta sexta-feira (3). Em Salvador foram 42 mil máscaras, beneficiando a Federação de Associações de Bairros (FABS) e cooperativas de catadores de resíduos sólidos. No interior foram 33,2 mil unidades para as cidades de Aratuípe, Cairu, Gandu, Ibirapitanga, Igrapiúna, Jaguaripe, Nilo Peçanha, Piraí do Norte, Presidente Tancredo Neves, Taperoá, Teolândia, Valença e Wenceslau Guimarães. Outras 22,6 mil máscaras chegaram aos municípios de Adustina, Coronel João Sá, Euclides da Cunha, Itapicuru, Heliópolis, Pedro Alexandre e Ribeira do Pombal.

“O intuito é minimizar os impactos econômicos da crise sanitária, através da oferta de bolsa-produção para as trabalhadoras envolvidas, e incentivar o uso de máscaras que, em conjunto com o distanciamento social e a higienização frequente das mãos, contribui no combate ao coronavírus”, afirma o titular da Setre, Davidson Magalhães.

O projeto, desenvolvido em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT), tem investimento de R$ 3,6 milhões do Fundo de Promoção do Trabalho Decente (Funtrad), e prevê a confecção de 2 milhões de máscaras em quatro polos distribuídos no território baiano. A mão de obra é formada por egressos dos cursos de Corte e Costura do Programa Qualifica Bahia e de projetos do Funtrad, profissionais da área têxtil inseridos no Programa Contrate.Ba e pessoas em situação de maior vulnerabilidade social, como mulheres chefes de família monoparental.

As máscaras estão sendo distribuídas para trabalhadores de áreas essenciais, grupos de risco e pessoas mais vulneráveis, como idosos, população de rua, quilombolas e indígenas. A prioridade são os municípios com maior número de casos e transmissão acelerada de Covid-19.

Foto: Setre

OUTRAS NOTÍCIAS