Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 25/06/2019

Guerra comercial dos EUA ameaça produção de Bíblias na China

Editores cristãos estão pedindo ao presidente Donald Trump que não imponha o que eles chamam de “imposto bíblico”.

 

Embora os livros tenham escapado dos aumentos de tarifas anteriores pelo governo Trump, a última rodada proposta – uma tarifa de 25% sobre 300 bilhões de dólares de produtos chineses – inclui Bíblias e livros cristãos.

 

Em resposta, as principais editoras cristãs reagiram perante a Comissão de Comércio Internacional dos EUA em Washington DC esta semana para pedir isenções.

 

A China é a maior editora bíblica do mundo , graças à Amity Press, de Nanjing, que imprimiu quase 200 milhões de Bíblias desde 1988, em parceria com as Sociedades Bíblicas Unidas.

 

Para a maior editora cristã do mundo, a HarperCollins Christian Publishing (HCCP), mais de três quartos de seus custos de produção são incorridos na China. Seu portfólio inclui autores best-sellers como Rick Warren, bem como a Nova Versão Internacional (NIV) e a King James Version (KJV) da Bíblia. As duas traduções populares dão ao HCCP, 38 por cento do mercado bíblico americano, que vê cerca de 20 milhões de Bíblias vendidas anualmente.

 

“Acreditamos que o governo não tinha conhecimento do potencial impacto negativo que essas tarifas propostas teriam sobre a indústria editorial e nunca pretendia impor um ‘imposto bíblico’ a consumidores e organizações religiosas”, disse Doug Lockhart, vice-presidente sênior de marketing e Bíblia da HCCP.

 

Em uma audiência perante a comissão de comércio, o CEO Mark Schoenwald argumentou que as tarifas propostas forçariam o HCCP a aumentar seus preços, reduzir seu volume de vendas e descontinuar algumas edições da Bíblia.

 

Com mais de 800.000 palavras que podem se estender a 2.000 páginas finas, encadernações especiais, mapas, fitas e impressão em quatro cores, a Bíblia requer impressoras sofisticadas. Enquanto o Brasil, a Índia e a Coreia do Sul também imprimem Bíblias, a China tornou-se incomparável na publicação da Bíblia por sua economia de escala e força de trabalho altamente qualificada.

 

“A Tyndale House não conseguiu identificar gráficas fora da China com capacidade e habilidade para atender às nossas necessidades de livros complexos”, escreveu o presidente e CEO da Tyndale, Mark Taylor, em sua apresentação à comissão de comércio. Para Tyndale, a maior editora cristã de propriedade privada nos Estados Unidos e proprietária da New Living Translation (NLT), 56% de suas Bíblias foram publicadas na China.

 

Enquanto isso, editores cristãos menores, como a InterVarsity Press (IVP), que imprime todos os seus livros internamente, não são afetados pelas ameaças das tarifas.

 

Editoras cristãs aguardam a decisão dos representantes do comércio, que podem anunciar o fato antes da Cúpula do G-20 em Osaka, no Japão, em 28 de junho, quando se espera que o presidente Donald Trump discuta pessoalmente um acordo comercial com o presidente Xi Jinping.

 

“Espero que os representantes reconheçam a importância da literatura religiosa e das escrituras”, disse Trevin Wax, diretor de Bíblias e referência da LifeWay Christian Resources. “Adoraria ver exceções feitas aqui”. O braço editorial da Convenção Batista do Sul gasta 31% de seus custos totais de impressão na China.

 

“Temos que ser otimistas e há boas razões”, disse Stan Jantz, presidente e CEO da Evangelical Christian Publishers Association.

 

“A América tem uma história de isentar livros de tarifas.” Ele deu depoimento aos representantes do comércio em Washington nesta semana, em parceria com a Association of American Publishers. “Os cristãos dependem da Bíblia para o seu alimento espiritual diário. É um tecido importante da América.

 

Folha Gospel com informações de Christianity Today