Hipersensibilidade: uso de ‘tecnologias’ pode causar náuseas e dores

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

unnamed (1) A chamada hipersensibilidade eletromagnética é um problema real, pouco conhecido e que divide especialistas. Os portadores do problema não conseguem ficar perto de aparelhos que emitam ondas eletromagnéticas. Quando expostos à eletricidade, sentem reações na pele, zumbido, vertigem, falta de ar e queimação. Dores de cabeça, perda de memória e fadiga são outros sintomas.

 

Em uma matéria do site ‘O Dia’ sobre o assunto, Álvaro Augusto de Salles, engenheiro do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, defende a existência da hipersensibilidade. Ele explica que os portadores da doença têm a capacidade de perceber quando estão em campos eletromagnéticos — como áreas com wi-fi. Alterações no organismo, como as que fazem surgir problemas no sistema nervoso, seriam a explicação para os sintomas que dos pacientes.

 

Mas, para o especialista, há um benefício no transtorno. Ele explica que essas pessoas já sentem desde o início os efeitos das ondas, não toleram boa parte da tecnologia e, com isso, mudam de ambiente antes de desenvolverem males ainda mais graves. “A exposição prolongada a celular e wi-fi, por exemplo, pode trazer câncer e problemas de fertilidade”, alerta.

 

A Organização Mundial de Saúde não reconhece a oficialmente a hipersensibilidade como doença, assim como alguns neurologistas.

 

Origem psicológica

 

Segundo Álvaro, é pequena a porcentagem de casos de origem ‘psicológica’. Para ele, as pessoas podem nascer com a hipersensibilidade ou desenvolvê-la ao longo da vida.

 

“Os pacientes não conseguem ficar com o celular. Também sentem-se mal se morarem perto de estações base de celular”, aponta, acrescentando que, na Europa, há sistema de blindagem da casa de hipersensíveis que moram em locais ‘de risco’.

 

Verdade Gospel.

OUTRAS NOTÍCIAS