Igreja católica pede doações para manutenção do Cristo Redentor

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

cristoOS responsáveis pelo monumento mais visitado do Brasil não recebem nem um centavo dos ingressos contados para vê-lo. O responsável pelo Santuário do Cristo Redentor, padre Omar, contou que o monumento é mantido há 85 anos com a ajuda de doações da iniciativa privada e a ajuda da Arquidiocese mas que, infelizmente, vai precisar recorrer aos fiéis para conseguir fechar as contas com um pouco mais de folga.

 

A Arquidiocese do Rio iniciou nesta quinta-feira (8) uma campanha em busca de doadores para a estátua mais famosa do país, inaugurada em 1931 é considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno. Os interessados em fazer doações podem acessar o site www.cristoredentoroficial.com.br ou através de depósito no banco Bradesco, agência 0814, conta corrente 076196-6, favorecido Mitra Santuário Arqui do Cristo Redentor.

 

Em um dia de sol, o monumento estava cheio de turistas que estavam disputando espaço para conseguir o melhor clique da estátua, considerada uma das maravilhas do mundo moderno. A estátua faz jus a fama. É a atração turística mais vista do Brasil, com 3 milhões de visitantes anuais. Inaugurada em 1931 a estátua é considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno.

 

Na entrada da capela do santuário, há folhetos em três idiomas – português, inglês e espanhol – pedindo adesões para a campanha de doações. Nele, os responsáveis pela imagem informam que não recebe nenhum recurso da bilheteria de acesso ao Parque Nacional da Tijuca.

 

Este é o último dia da baixa temporada de acesso ao monumento. No ingresso, são contados R$ 27 de entrada no Parque Nacional da Tijuca e outros R$ 30 de transporte de van, que sai de alguns pontos da cidade.

 

Padre Omar, responsável pelo monumento, conta que, mesmo sendo a principal atração do parque, o santuário que abriga a imagem não recebe nem R$ 1 repassado dos ingressos. Ele acredita que o monumento é mais uma vítima da crise no país e conta que precisa de ajuda para a manutenção da estátua e para pagar o salário dos 30 funcionários que trabalham ali. O custo anual do local é de R$ 5 milhões.

 

“É a porta de entrada do país, o monumento mais visitado e não recebe nada desse fluxo. Nesses 85 anos de história, o monumento tem sido mantido com a ajuda da Igreja e da iniciativa privada”, explicou o padre.

 

De acordo com o padre, o cardeal Dom Orani Tempestade já tentou dialogar em torno do tema, não houve um consenso sobre a viabilidade do repasse de uma parte dos ingressos. Para o pároco, os pedidos de doações são a última alternativa em busca de ajuda no custeio.

 

“Assim como o feito foi construído com a ajuda do povo, queremos que ele seja mantido com a ajuda do povo”, explicou o Padre Omar.

 

G1.COM

OUTRAS NOTÍCIAS