Versículo do dia
A quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti.

Igreja Universal pagará mais de meio milhão em processo trabalhista

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

download A Justiça do Trabalho determinou que a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) pague mais de meio milhão de reais a um vigilante que trabalhou para a denominação por oito anos sem ter registro em carteira.

 

A decisão foi dada pela 2ª Vara do Trabalho de Porto Velho (RD) que julgou a ação movida por João Pereira de Aguiar que por 8 anos atuou como vigilante da IURD sem ter registro, nem férias, ou 13º salário.

 

Por conta disso, a Justiça determinou o pagamento de danos morais no valor de R$ 555 mil além de obrigar a igreja de anotar a experiência na carteira de trabalho do vigilante e ainda pagar as verbas trabalhistas que eram devidas.

 

Além dos danos morais, Aguiar também terá que receber da IURD as férias integrais referentes aos anos de 2008/2009, de 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012 com o terço constitucional, em dobro; férias proporcionais de 2013 (9/12) e terço constitucional; 13º salários de 2009, 2010, 2011, 2012; 13º proporcional de 2013; Aviso Prévio indenizado; FGTS + multa de 40%.
O vigilante ainda terá direito a receber o descanso semanal remunerado no período não prescrito, as multas previstas nos artigos 467 e 477 da CLT, o adicional noturno por todo o contrato de trabalho, e outros direitos trabalhistas.

 

O autor da ação denunciou que a Igreja Universal explorava a mão de obra de policiais militares e outros agentes públicos para não pagar encargos e previdenciários e tributários.
O homem também afirmou que fazia plantões na igreja e só recebia o valor correspondente à diária sem ter nenhum outro tipo de benefício pago pela denominação.

 

Em sua defesa a igreja alegou que o descumprimento dos direitos trabalhistas não é passível de gerar dano moral e que o reclamante não era empregado da igreja. O magistrado, porém, respondeu dizendo que houve fraude na contratação trabalhista uma vez que havia vínculo empregatício entre a Universal e o vigilante.

 

Com informações Jus Brasil.

OUTRAS NOTÍCIAS