Índia, Rússia, Síria e Vietnã podem entrar na lista de violadores da liberdade religiosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Índia, Rússia, Síria e Vietnã podem ser adicionados à lista de países considerados como “piores violadores da liberdade religiosa”. A decisão da inclusão está nas mãos do Departamento de Estados dos EUA, que tem observado quais países devem ser designados como foco de preocupação na Lista de Observação Especial.

O pedido foi feito pela “Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional” (USCIRF, sigla em inglês). A comissão deverá responder se as nações devem entrar para a CPC (País de Interesse Particular).

Num comunicado à imprensa, especialistas independentes com a missão de aconselhar o governo federal, disseram que os países em questão devem ser sujeitos a consequências negativas e até sanções.

Índia tenta reverter a situação

Os especialistas explicam que, nos últimos anos, os cristãos na Índia enfrentaram uma escalada de perseguição que aparentemente coincidiu com a ascensão ao poder do partido nacionalista hindu Bharatiya Janata.

O país é classificado pela Portas Abertas como o décimo pior do mundo em relação à severidade da perseguição cristã. Mas, aliados do governo indiano têm trabalhado para pressionar a USCIRF a reverter sua recomendação de que o Departamento de Estado rotule a Índia como um CPC.

De acordo com John Prabhudoss, presidente da Federação de Organizações Cristãs Indígenas Americanas, sediada em Washington, EUA, os cristãos estão preocupados com essa campanha dirigida pelo governo nacionalista hindu, que tenta se esquivar de sua culpa. “O governo indiano rejeitou as conclusões do relatório como tendenciosas”, ele explicou.

Por outro lado, grupos de direitos humanos na Índia disseram, no mês passado, que documentaram mais de 300 incidentes de perseguição cristã apenas nos primeiros nove meses de 2021, alertando que este ano pode ser o pior em termos de número de tais incidentes na história do país.

Rússia não aceita religiões “não tradicionais”

Sobre a Rússia, o USCIRF disse em seu relatório que, “por anos, o governo russo conduziu um expurgo de religiões ‘não tradicionais’ e que os tribunais russos continuam a proferir sentenças de prisão mais severas e numerosas para as Testemunhas de Jeová que buscam praticar sua fé.

Entre aqueles que constam da extensa lista de extremismo e terrorismo do governo estão muitos que não foram condenados por um crime. Os indivíduos permanecem na lista mesmo depois de cumprir penas, com suas finanças congeladas ou restringidas como consequência, e seu direito de participar de atividades religiosas ainda é proibido.

Aumenta número de países que violam Liberdade Religiosa

Quanto à Síria, o relatório observou que entre 2020 e 2021, tanto o governo sírio, controlado pelo presidente Bashar al-Assad, quanto uma variedade de atores não estatais, como grupos islâmicos apoiados pela Turquia, perpetraram violações da liberdade religiosa.

Além disso, a USCIRF disse que continuou a receber relatos de que as autoridades locais no Vietnã “realizaram agressões físicas, detenção, prisão, confisco forçado de propriedades e ativos da igreja e outros abusos contra membros das comunidades cristãs Hmong e Montagnard, incluindo esforços para obrigar esses cristãos a renunciar sua fé”.

“Os países adicionais que a USCIRF recomenda incluem também Afeganistão, Argélia, Azerbaijão, Egito, Indonésia, Iraque, Cazaquistão, Malásia, Turquia e Uzbequistão”, conforme os especialistas.

Fonte – Guia me

OUTRAS NOTÍCIAS